Parlamento agenda discussão da eutanásia

O Parlamento está prestes a iniciar no plenário a discussão de uma das matérias mais fraturantes da legislatura

No dia 1 de fevereiro, segundo foi agendado esta manhã na conferência de líderes, será discutida uma petição propondo a despenalização criminal da eutanásia.

Dinamizada pelo movimento "Direito a Morrer com Dignidade", a petição reconhece que "a Constituição da República Portuguesa define a vida como direito inviolável" mas "não como dever irrenunciável". "A criminalização da morte assistida no Código Penal fere os direitos fundamentais relativos às liberdades", lê-se ainda no documento.

"Um Estado laico deve libertar a lei de normas alicerçadas em fundamentos confessionais. Em contrapartida, deve promover direitos que não obrigam ninguém, mas permitem escolhas pessoais razoáveis. A despenalização da Morte Assistida não a torna obrigatória para ninguém, apenas a disponibiliza como uma escolha legítima", acrescenta.

A discussão agendada para dia 1 de fevereiro não implica nenhuma votação. E não deverá "arrastar" consigo a discussão de qualquer projeto-lei. Até agora, só o PAN e o BE disseram que irão apresentar projetos visando a despenalização da eutanásia. Contudo, não os agendaram ainda nem disseram quando o farão.

A criminalização da eutanásia está prevista nos artigos 133º e 134º do Código Penal.

No 133º ("homicídio privilegiado") determina-se que "quem matar outra pessoa dominado por compreensível emoção violenta, compaixão, desespero ou motivo de relevante valor social ou moral, que diminuam sensivelmente a sua culpa, é punido com pena de prisão de 1 a 5 anos".

Já no 134º ("homicídio a pedido da vítima"), diz-se que "quem matar outra pessoa determinado por pedido sério, instante e expresso que ela lhe tenha feito é punido com pena de prisão até 3 anos" e ainda que "a tentativa é punível".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.