PAN quer hospital veterinário em Lisboa para donos com baixos rendimentos

Segundo o partido Pessoas-Animais-Natureza(PAN) a medida é necessária porque são muitos os casos de animais perdidos e abandonados que são recolhidos pelos residentes

O grupo municipal do PAN vai pôr à apreciação da Assembleia Municipal de Lisboa (AML), na reunião plenária de terça-feira, uma recomendação com vista à criação de um hospital veterinário para donos que "aufiram baixos rendimentos".

No documento, que será apreciado e votado pelos deputados municipais, o partido Pessoas-Animais-Natureza pede a "criação de um hospital veterinário solidário municipal para os detentores de animais que comprovadamente aufiram baixos rendimentos".

A ser criada, a estrutura deverá também apoiar "as associações de proteção animal com sede na área do município, que não tenham por atribuições a prestação de cuidados médico-veterinários".

O PAN classifica como "imperioso criar um hospital veterinário municipal para animais errantes, abandonados ou detidos por pessoas em situação de especial vulnerabilidade socioeconómica", que não tenham capacidade para dar aos seus animais de companhia os "cuidados básicos de saúde ou de socorrê-los em situação de emergência".

O partido aponta que "não são raros os casos de animais perdidos ou abandonados na via pública que são recolhidos por residentes no município de Lisboa, antes de qualquer intervenção por parte da Casa dos Animais de Lisboa" e lembra que a incapacidade financeira dos detentores pode mesmo levar ao abandono dos animais.

Na mesma reunião, os deputados vão apreciar também uma outra recomendação apresentada pelo Bloco de Esquerda (BE), que pede um apelo "à Assembleia da República e ao Governo, através do Ministério da Administração Interna", para a "suspensão imediata e urgente das ações de despejo" relativas ao bairro da GNR, em Alcântara.

Os eleitos do BE almejam também que "a Câmara Municipal de Lisboa, em articulação com as freguesias de Alcântara e da Ajuda, sirva de interlocutor para a procura de soluções equitativas e que garantam o direito à habitação condigna, com o envolvimento, também, do Ministério da Administração Interna, da GNR e dos moradores e moradoras".

Na semana passada foi anunciado que o Governo suspendeu os "processos administrativos em curso" enquanto estiverem em análise os "relatórios sociais" de reformados da GNR do bairro de Alcântara que estavam sujeitos a ações de despejo.

Os deputados da AML vão apreciar ainda uma recomendação, também apresentada pelo BE, no sentido de "manter o Teatro Maria Matos no mesmo modelo de gestão até agora em vigor".

Para tal, os bloquistas querem que seja lançado "um concurso público para nomeação de uma nova direção artística e manutenção da equipa técnica residente, garantindo o reforço dos meios técnicos e orçamentais necessários para o efeito".

As "linhas orientadoras relativas à programação" do Teatro Maria Matos, que preveem a sua concessão a uma entidade privada, foram aprovadas pela Câmara de Lisboa em meados do mês.

No encontro, será ainda apreciada uma moção do Partido Popular Monárquico para que a AML obtenha "uma resposta por parte dos serviços da IP - Infraestruturas de Portugal no sentido de se apurar para quando será reposta a estátua do Rei D. Sebastião na Estação Ferroviária do Rossio".

Desde maio de 2016 que a estátua está em falta no edifício, depois de ter sido destruída por um jovem que queria tirar fotografias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.