PAN pedala por melhores ciclovias e pede partilha de carros

Bebiana Cunha faz campanha de bicicleta. Ilda Figueiredo (CDU) foi a ringue municipal degradado denunciar o fraco apoio ao desporto

Equipada a rigor, com câmara go-pro instalada no capacete, Bebiana Cunha tem percorrido desde terça-feira a cidade do Porto na sua bicicleta elétrica. É a campanha eleitoral da candidata do PAN, partido que se apresenta pela primeira vez nesta corrida autárquica e que pretende eleger dois deputados municipais e acalenta ainda a esperança de colocar um vereador no executivo. Os percursos de bicicleta que durante três dias realiza pelo Porto servem o propósito de "discutir a mobilidade da cidade, as acessibilidades e o urbanismo".

Antes de liderar o grupo de sete bicicletas, a psicóloga que nasceu no bairro da Sé disse ontem que estas temáticas são decisivas para a inclusão. "Se resolvermos os problemas de mobilidade estamos a diminuir o problema de desigualdades sociais. Estamos a permitir a todos ter acessos às mesmas coisas", diz. A aposta do PAN é nos transportes públicos, mas a preços acessíveis, e nos sistemas de partilha de veículos, automóveis e bicicletas, ambos em sistema elétrico porque a orografia do Porto assim o exige. A Câmara deve ter a iniciativa, alega. "A par disso é essencial criar percursos adequados. Temos poucas ciclovias e são inseguras", aponta Bebiana Cunha, recorrendo ao percurso efetuado de véspera. "Dou o exemplo da Asprela, passamos lá e aquilo parece mais preparado para fazer BTT do que para andar de bicicleta. Fazer uma ciclovia não é pegar numa trincha e pintá-la no chão."

Nestes percursos pela cidade, o PAN deu conta que as ciclovias existentes não estão interligadas. "Temos uma na Boavista, outra na Asprela e depois pequenos troços - isto não faz sentido. E podem servir para ligar os espaços verdes da cidade, criando zonas de recreio e de convívio, com mais hortas urbanas. Queremos uma cidade mais pensada como um todo e não aos pedaços", diz a candidata que acredita no sucesso a 1 de outubro, embalados pelos resultados das legislativas, em que obteve 2522 votos. "Estamos a trabalhar para eleger dois deputados municipais. Somos um partido recente e a minha eleição vai depender se os portuenses acreditarem nesta candidatura."

CDU quer pelouro de desporto

No ringue existente no Bairro de S. Tomé, Ilda Figueiredo e a candidatura da CDU encontrou "um espaço abandonado", cheio de lixo e degradado. E municipal. Por isso, a candidata escolheu o local para criticar a política camarária em relação ao desporto. "A câmara não só não tem um pelouro do desporto e do associativismo, e devia ter, como por outro lado não incentiva a prática do desporto, não apoia os clubes da cidade o que levou a que alguns tivessem de deixar a sua atividade", disse Ilda Figueiredo, acrescentando que muitas associações são obrigadas a "pagar a utilização de espaços" desportivos.

A falta de apoio técnico e financeiro na cidade do Porto levou a "uma diminuição muito séria da prática do desporto popular. Temos vindo a chamar a atenção para a recuperação de equipamentos que existem, que são poucos, mas que mesmo assim estão ao abandono como este. Há mais." Ilda Figueiredo apontou que "na última conta de gerência" há um "saldo positivo de 66 milhões de euros" e que "com 5% desse saldo positivo" é possível ter uma verdadeira política desportiva. A candidata de CDU, que ontem também visitou o Centro Social de S. Nicolau e o Bairro da Mouteira, defende uma alteração de políticas, com os exemplos da "reversão do negócio que entregou o pavilhão Rosa Mota ao privado, recuperando-o para o serviço público" e da "construção de mais pavilhões e piscinas".

Rui Rio chega à campanha

Álvaro Almeida também fez críticas a Rui Moreira, enquanto visitava a Loja do Cidadão nas Antas, um exemplo de transparência que diz não existir na Câmara. "Uma das nossas propostas passa pela simplificação administrativa na câmara, menos burocrática, maior utilização de novas tecnologias, mais transparência", apontou e recuperou que índice de transparência municipal que colocava o Porto em 26º lugar em 2013 e no 141º em 2016. "É sinal que houve perda de transparência. Tivesse agora a câmara a mesma transparência que tinha no tempo do dr. Rui Rio", atirou. Hoje o antigo presidente da Câmara entra na campanha, numa arruada com o candidato do PSD.

Pizarro de metro

O candidato do PS viajou ontem de metro, e mostrou o passe Andante que usa para ir ao futebol. Disse que o PS tem mérito na obra municipal, na habitação, na ação social, no urbanismo, citando o Bolhão. Manuel Pizarro apontou que "é um balanço de Rui Moreira e é um balanço do PS", ou seja, "é a prestação de contas de uma governação conjunta".

Moreira no Bolhão

Na visita ao mercado temporário do Bolhão, pronto para acolher 86 comerciantes durante os dois anos de obras, que devem começar em janeiro, Rui Moreira reagiu ao PS que reivindicou o mérito na obra. "Não esteve sob a alçada do PS", mas "sob a alçada direta do presidente da Câmara", respondeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.