Pais de menores de 12 anos têm direito a horário flexível, mas empresas recusam

Pareceres da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego são na maioria de empresas que não aceitam alterar períodos de trabalho

Uma médica com uma filha de 15 meses que amamenta pede um horário flexível como prevê o Código de Trabalho para pais de crianças menores de 12 anos. A entidade empregadora recusa e é obrigada a pedir um parecer à Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE). A comissão dá razão à mãe, em nome da conciliação da vida profissional com a familiar. Casos como este constituem 85% dos pareceres da estrutura e, diz a presidente da CITE, Joana Rabaça Gíria, não há meio de as empresas "interiorizarem que a conciliação é fundamental para a igualdade de oportunidades", além de "gerar produtividade".

No ano passado, a CITE emitiu 747 pareceres e o horário flexível dominou as situações apresentadas, o mesmo acontecendo já neste ano em que analisaram 321 casos. Mas os dados definitivos só estão trabalhados até 2016, ano em que emitiram 688 pareceres, dos quais 655 (95%) corresponderam a solicitação obrigatória por entidade empregadora. E destes 84,5% são referentes à recusa em conceder regime de horário flexível. A comissão não faz o acompanhamento do cumprimento dos seus pareceres, que são vinculativos. A última palavra cabe aos tribunais.

Médica com filha de 15 meses viu recusado "de forma absoluta" horário das 08:00 às 18:00

O caso da médica é exemplar no que diz respeito à recusa em atribuir um horário flexível a quem tem filhos menores de 12 anos. Trabalha no setor da saúde, um dos que têm atividade laboral permanente e com muitas recusas em conceder esse direito aos pais, seja homem ou mulher. Mas, sublinha a presidente da CITE, a prática é ser o sexo feminino a pedir a mudança de horários. No seu entender, sinal de uma mentalidade que é preciso mudar, já que a legislação portuguesa salvaguarda os direitos da conciliação e da igualdade de oportunidades.

"A informação existe, o que falta é uma interiorização; em primeiro lugar dos conceitos, quer da conciliação, quer dos horários, quer dos tempos de trabalho necessários para que essa conciliação seja possível; em segundo, de atitude. Ainda subsistem casos em que se for o homem a pedir flexibilidade de horário ou para faltar ao trabalho para ir com a criança ao médico ouve: "A tua mulher não trata disso?" É um exemplo académico mas existe. Falta uma interiorização a todos os níveis, quer dos próprios trabalhadores e trabalhadoras quer das entidades empregadoras, de que a conciliação entre a vida profissional e a vida familiar é fundamental", defende Joana Rabaça Gíria.

No caso da paternidade, horário flexível significa adequar os tempos laborais às exigências familiares, desde que contenha um ou dois períodos de presença obrigatória, com duração igual a metade do período normal de trabalho diário. Na prática, o trabalhador poderá fazer até seis horas consecutivas de trabalho e até dez horas de trabalho em cada dia e desde que cumpra o horário semanal.

A médica em causa tem uma filha menor. O emprego do marido obriga-o a deslocar-se frequentemente ao estrangeiro. Têm o apoio dos avós maternos e avó paterna, ainda que esta resida longe. Para acompanhar a filha, a assistente pediu um horário de segunda a sexta-feira entre as 08.00 e as 18.00 e um único fim de semana mensal.

A entidade empregadora justificou a "recusa de forma absoluta", "na medida em que exigências imperiosas de funcionamento do serviço assim o impõem", sublinhando: "O seu funcionamento é ininterrupto, incluindo fins de semana e feriados, o que necessariamente implica a aplicação do regime de trabalho por turnos" e que a alteração impossibilitaria "o atendimento 24 horas, o que acarreta grave risco para os utentes".

Explicações não justificáveis para a CITE: "O empregador deve proporcionar à trabalhadora condições de trabalho que favoreçam a conciliação da atividade profissional com a vida familiar e pessoal, nos termos do Código do Trabalho e da Constituição da República Portuguesa."

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.