Catarina Martins quer escolas a contratar cozinheiras e fala em situações de "fome"

"Há um problema com a entrega a privados das cantinas das escolas. Fazem tudo o que podem para baixar os custos e criar lucros", alertou a líder do Bloco de Esquerda

Catarina Martins defendeu esta segunda-feira que o Orçamento do Estado para 2018 deve contemplar condições que permitam às escolas contratarem cozinheiras para não terem de externalizar os serviços, criticando a concessão "exagerada" a privados.

"Achamos que neste Orçamento do Estado deve ser permitido às escolas contratarem cozinheiras para não terem de externalizar os serviços. Há um problema com a entrega a privados das cantinas das escolas. Fazem tudo o que podem para baixar os custos e criar lucros", disse a coordenadora do Bloco de Esquerda.

De acordo com Catarina Martins, em 1.200 cantinas escolares no país, 800 estão entregues a duas empresas privadas, ou seja, 70% das cantinas.

A líder bloquista apontou que a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) "já instaurou processos a empresas que fornecem serviços de cantina" e referiu que "os pais e professores têm denunciado situações de pouca quantidade e caos até em que as crianças passam fome".

Catarina Martins criticou a concessão "exagerada" a privados enquanto visitava a escola Dr. Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, para dar o exemplo de uma "cantina que funciona bem".

"Nesta escola, a cantina funciona bem com qualidade na comida, opções, crianças satisfeitas e os custos são os custos normais que o Ministério da Educação prevê. É uma cantina gerida pela escola", disse.

Este equipamento escolar acolhe 1.000 alunos que frequentam do 5.º ao 9.º anos, sendo que de acordo com o diretor de agrupamento, Filinto Lima, são servidas em média 600 refeições por dia na "única escola com cantina própria no concelho".

"Este é um bom exemplo porque [a cantina] é explorada pela própria escola. As cozinheiras que estamos a ver são funcionárias da escola. É uma escola onde se come bem, uma escola onde se faz comida saudável e muito caseira e onde os alunos estão felizes", disse Filinto Lima.

O diretor de agrupamento mostrou convicção de que "a qualidade da comida nesta escola é superior a grande parte das cantinas que estão concessionadas", mas contou que em abril foi assediado "no bom sentido pelo Ministério da Educação para repensar esta forma de trabalho".

"Mas não me passa pela cabeça mudar. Enquanto puder manter a cozinha como cozinha própria, vou mantê-la", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.