Catarina Martins quer escolas a contratar cozinheiras e fala em situações de "fome"

"Há um problema com a entrega a privados das cantinas das escolas. Fazem tudo o que podem para baixar os custos e criar lucros", alertou a líder do Bloco de Esquerda

Catarina Martins defendeu esta segunda-feira que o Orçamento do Estado para 2018 deve contemplar condições que permitam às escolas contratarem cozinheiras para não terem de externalizar os serviços, criticando a concessão "exagerada" a privados.

"Achamos que neste Orçamento do Estado deve ser permitido às escolas contratarem cozinheiras para não terem de externalizar os serviços. Há um problema com a entrega a privados das cantinas das escolas. Fazem tudo o que podem para baixar os custos e criar lucros", disse a coordenadora do Bloco de Esquerda.

De acordo com Catarina Martins, em 1.200 cantinas escolares no país, 800 estão entregues a duas empresas privadas, ou seja, 70% das cantinas.

A líder bloquista apontou que a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) "já instaurou processos a empresas que fornecem serviços de cantina" e referiu que "os pais e professores têm denunciado situações de pouca quantidade e caos até em que as crianças passam fome".

Catarina Martins criticou a concessão "exagerada" a privados enquanto visitava a escola Dr. Costa Matos, em Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, para dar o exemplo de uma "cantina que funciona bem".

"Nesta escola, a cantina funciona bem com qualidade na comida, opções, crianças satisfeitas e os custos são os custos normais que o Ministério da Educação prevê. É uma cantina gerida pela escola", disse.

Este equipamento escolar acolhe 1.000 alunos que frequentam do 5.º ao 9.º anos, sendo que de acordo com o diretor de agrupamento, Filinto Lima, são servidas em média 600 refeições por dia na "única escola com cantina própria no concelho".

"Este é um bom exemplo porque [a cantina] é explorada pela própria escola. As cozinheiras que estamos a ver são funcionárias da escola. É uma escola onde se come bem, uma escola onde se faz comida saudável e muito caseira e onde os alunos estão felizes", disse Filinto Lima.

O diretor de agrupamento mostrou convicção de que "a qualidade da comida nesta escola é superior a grande parte das cantinas que estão concessionadas", mas contou que em abril foi assediado "no bom sentido pelo Ministério da Educação para repensar esta forma de trabalho".

"Mas não me passa pela cabeça mudar. Enquanto puder manter a cozinha como cozinha própria, vou mantê-la", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.