O projeto de lei que foi rejeitado com mais votos a favor

Proposta do PAN foi chumbada e projeto do PCP aprovado no voto das bancadas. Se fosse por deputado, seria diferente

O Parlamento chumbou um projeto de lei do PAN, numa votação em que foi considerada a representatividade das bancadas, mas se a votação fosse por deputado poderia ter passado. Na passada sexta-feira aconteceu o mesmo com pontos de um projeto de resolução do PCP. É tudo regular, está previsto no regimento da Assembleia da República, no entanto são casos únicos pelo menos nas três últimas legislaturas - e podem obrigar a uma clarificação do regimento.

A 29 de novembro passado, a mesa declarou a rejeição do projeto de lei 670/XIII do PAN, que procedia "à alteração do regime jurídico aplicável aos bombeiros portugueses no território continental, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 241/2007, de 21 de junho". O projeto reuniu os votos favoráveis dos deputados presentes do BE, PS e do PAN, a abstenção dos do PCP e do PEV e os votos contra do PSD e do CDS. Confrontando o número de parlamentares que compõem as duas bancadas da direita com o dos deputados do PS, BE e PAN, o resultado seria de facto 107 contra e 106 a favor.

No entanto, os responsáveis do site Hemiciclo - que escrutina a atividade parlamentar - detetaram algo invulgar. O Hemiciclo cruza sempre os resultados das votações com os registos de presenças, de modo a poder tornar clara a forma como cada deputado votou em cada diploma (que o site do Parlamento não divulga). Segundo esse registo de quórum, o site contabilizou 99 votos favoráveis dos deputados presentes contra 98 rejeições (e 17 abstenções), num total de 215 deputados presentes (assumindo que o presidente da Assembleia da República não participa na votação excetuando situações em que o próprio explicita ou é autor do diploma).

Na última sexta-feira, voltou a acontecer com um projeto de resolução do PCP, que cria um programa para reduzir e controlar a biomassa florestal. O projeto foi votado a dois tempos: os pontos 3 e 4, que foram aprovados sem questão. E os restantes pontos que a mesa também deu como aprovado (com votos a favor do PSD, PCP, PEV e PAN; e votos contra do PS e BE; e a abstenção do CDS) tiveram 94 a favor e 96 contra. Seriam rejeitados.

Em novembro e agora, o facto de terem faltado à sessão plenária mais deputados à direita explica estes resultados. Em novembro, foram nove os faltosos no PSD e CDS; e seis do PS. Na sexta-feira, faltaram 12 do PSD (e um do PCP); no PS foram oito.

São casos únicos nas três legislaturas, segundo David Crisóstomo, do Hemiciclo, que tem registadas as votações desde 2009. "Não existiu um outro caso similar, onde o número de aprovações e rejeições estivesse em conflito com o resultado declarado pela Mesa da Assembleia - nem há registo na comunicação social de tal ter acontecido desde 2001", explicou ao DN David Crisóstomo.

O Parlamento recusa esta interpretação. Segundo o artigo 94.º, relativo às votações (ver caixa), estas são "por levantados e sentados, que constitui a forma usual de votar" e que, neste caso, "a Mesa apura os resultados de acordo com a representatividade dos grupos parlamentares". O secretário da mesa do Parlamento, Duarte Pacheco, explicou ao DN que pode existir uma discrepância entre o quórum verificado (que acontece antes do início das votações) e o momento exato em que aquelas iniciativas foram votadas - podem ter saído e entrado deputados. "A fotografia não corresponde à fotografia do momento da votação", notou o deputado, referindo-se ao resultado apurado pelo site Hemiciclo.

"Para evitar esta situação", defendeu Duarte Pacheco, "tem de existir sempre uma maioria de deputados em efetividade de funções", ou seja 116, quórum esse que "consagra a legitimidade das votações". E defendeu que "se a Mesa se aperceber que há uma distorção completa da realidade", ou seja, menos deputados que os necessários, "a própria fará uma nova contagem de deputados".

Questionado pelo DN, o PAN respondeu com o citado artigo 94.º, que dita a votação "por levantados e sentados". Segundo o PAN, "para haver quórum (...) apenas basta ter metade mais um deputado". Sem mais, admitiram ao DN: "Não obstante este facto concordamos com as regras estabelecidas e vertidas em regimento e, concomitantemente, com o resultado da votação."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Arnaldo, Rui e os tuítes

Arnaldo Matos descobriu o Twitter (ou Tuiter, como ele dizia), em 2017. Rui Rio, em 2018. A ambos o destino juntou nesta edição. Por causa da morte do primeiro, que o trouxe à nostálgica ordem do dia, e por o segundo se ter rendido à tecnologia da transmissão de ideias que são as redes sociais. A política não nasceu para as ideias simples com as redes sociais. Mas as redes sociais vieram dar uma ajuda na rapidez ao passar as mensagens. E a chegar a mais gente. E da forma desejada, sem a, por vezes incómoda, mediação jornalística. É isso mesmo que diz, e sem vergonha, note-se, uma fonte do PSD, no trabalho sobre a presença de Rui Rio no Twitter. "É uma via para dizer exatamente o que pensa e dar a opinião, sem descontextualizações." O jornalismo como descontextualização. Ou seja, os políticos que aderem às redes sociais fazem-no no mesmo pressuposto da propaganda. E têm bons exemplos a seguir, como Trump, mestre nos 280 carateres que o ajudaram a ganhar eleições. Foi o Twitter que trouxe Arnaldo Matos das trevas da extrema-esquerda para o meio mediático. Regressou como fenómeno, não apenas pelas polémicas intervenções no velho partido, o MRPP, onde promoveu rixas, expulsou camaradas por desvios de direita, mas, sobretudo, pela excelente adaptação à forma que a tecnologia do Twitter lhe proporcionava para passar a sua mensagem política dura, rápida, cruel e, sim, simplista. Para quem não quer perder muito tempo com explicações, o Twitter é ideal. Numa prosa publicada na página do partido, Luta Popular, Arnaldo Matos fazia o que sabia fazer, doutrina, sobre o assunto. Dizia que as suas publicações, batendo "todos os recordes em Portugal", se tornavam "tão virais" que já nem ele as controlava E sem nenhum recuo ou consideração sobre a origem "capitalista" desta transmissão informativa queixava-se de as mensagens não serem vistas pelos "camaradas do partido". Resumindo: "Os tuítes são pequenas peças de agitação e de propaganda políticas, que permitem aos militantes do PCTP/MRPP manter uma informação permanente sobre a vida política nacional e internacional." Dizia também que este método "fornece uma enorme quantidade de temas que armam a classe operária para a difusão de opiniões que caracterizam os seus pontos de vista de classe". Ninguém diria melhor do que um "educador" de classe, operária ou outra, e nem mesmo Jack Dorsey ou Noah Glass ou Biz Stone, ou Evan Williams, os fundadores da rede social, a saberiam defender de forma tão eficaz. E enganadora. A forma como Arnaldo Matos usava o Twitter era um pouco menos benévola do que podia parecer destas palavras. Zurziu palavras simples e fortes contra velhos ódios: contra o "putedo" da esquerda, o "monhé" António Costa, os sociais-fascistas do PCP e, até, justificando ataques terroristas como os do Bataclan em Paris. Mandava boutades que no ciberespaço se chamam posts. E, depois, os jornalistas faziam o resto, amplificando a mensagem nos órgãos de comunicação social tradicionais. Na reportagem explica-se que o objetivo dos tuítes de Rui Rio é, também, que os jornalistas "peguem" nas mensagens e as ampliem. Até porque ele tem apenas cerca de três mil seguidores - o que não é pouco, tendo em conta a fraca penetração da rede em Portugal. Rio muda quando está no Twitter. É mais contundente e certeiro. Arnaldo Matos era como sempre foi, cruel e populista. Ambos perceberam o funcionamento das redes sociais, que beneficiam os políticos, mas prejudicam a democracia. Porque incentivam ao "tribalismo", juntando quem pensa igual e silenciando quem acha diferentes. Que contribuem para a diluição das mediações que leva com ela o pensamento, a crítica, e traz consigo a ilusão da "democracia direta" que mais não é do que outra forma de totalitarismo. Estas últimas ideias são roubadas da apresentação de Pacheco Pereira na conferência sobre o perigo das fake news organizada nesta semana pela agência Lusa. Dizia ele que não devemos ter complacência com a ignorância - que é a base do espalhar de notícias falsas. Talvez os políticos devessem ser os primeiros a temê-la, à ignorância.