"O país continua muito vulnerável aos fogos. As pessoas muito expostas"

Presidente da Estrutura de Missão para a Instalação do Sistema de Gestão Integrada dos Fogos Rurais, Tiago Oliveira garante, em entrevista ao DN, que a memórias das vítimas dos incêndios do ano passado está a mobilizar políticos e peritos para mudar todo um sistema que durante anos se baseou no combate e agora assenta alicerces na prevenção.

Tem uma equipa muito pequenina a trabalhar consigo de nove pessoas. É suficiente para a construção de um novo sistema de gestão de risco de fogos?

Sim. Essencialmente o que estamos aqui a fazer é criar a Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais. Está criada. Está em fase de instalação e recrutamento de pessoas e à procura de uma instalação. E a ajudar o governo, o primeiro-ministro, a integrar as recomendações da Comissão Técnica Independente (CTI), a I e a II, nas medidas que estão previstas desde 21 de outubro e ajudar a gerir esse projeto de transformação.

Trabalhou para o setor privado na proteção florestal, é muito diferente esta tarefa que tem agora no setor público. Os políticos conseguem compreender os peritos?

Este desafio é pela urgência, pela importância para o país, que tem um grande enfoque político. A solução que nós transportamos para o problema é de desenho e de dimensionamento técnico, num contexto social e económico que tem de ser considerado. Fui treinado gerir operacionalmente o risco. O que estudei e no que me doutorei é a governança do risco. Estamos a implementar uma dimensão técnica com muito suporte político. Não é o contrário. Este problema resolve-se pela via da integração do conhecimento num sistema que tem de ter uma dimensão técnica muito forte, para o qual o poder político tem de dar o apoio de recursos, institucionais e de motivação das suas estruturas.

E isso está a acontecer?

Sinto isso a acontecer. E fiquei muito contente e sempre que falo com alguém que está a acompanhar de perto o nosso trabalho vê que estamos com entusiasmo e a conseguir ajudar. Não nos compete fazer tudo, aliás só fazemos uma pequena parte. O que é preciso é mobilizar o poder político e as instituições do Estado, que tenham os recursos, as competências e a lei, para conseguirem fazer melhor o seu trabalho. E estou muito entusiasmado porque vejo ao longo destes sete meses termos conseguido resultados muito interessantes. E esbater as debilidades e as dificuldades numa lógica de espírito de projeto e de equipa, que é uma coisa que nas empresas existe muito, porque estamos muito focados nos resultados e que aqui, face à urgência, à dimensão e à preocupação também está a acontecer. Vai resolver o problema em 2018? Não! Ou seja o país continua muito vulnerável, o sistema em si precisa de melhorias profundas, que ainda não foram implementadas, mas estamos todos mais sintonizados, a trabalhar em equipa e os recursos materiais e humanos estão mais disponíveis. Há uma cooperação institucional e operacional que julgo que é, à boa maneira portuguesa, todos juntos vamos conseguir.

Em 2005 também ajudou a elaborar uma proposta para a reforma florestal, na altura em que António Costa era ministro da Administração Interna, e nunca saiu do papel. A diferença agora são as tragédias de Pedrógão Grande e a dos incêndios de outubro?

Aquele estudo técnico que fizemos na altura foi um exercício muito operativo que definiu objetivos, orçamentos, tarefas, com eixos estratégicos. Na altura a sociedade não tinha a perceção que o modelo de combate não é a solução. Hoje, depois do que aconteceu, as pessoas reconhecem que não é por pôr mais meios no combate, com se pôs desde 2006 até agora, que o problema vai ter resolução. O que a tragédia de 2017 nos trás é ver que o país tem de olhar a floresta com outra preocupação e que o caminho se faz pela prevenção. É o que dá espaço para apostar na transformação do sistema. O território continua muito exposto, a gestão florestal perdeu competitividade internacional e os matos acumulam-se dentro das florestas ou dos territórios, a agricultura continua numa lógica de abandono e a população não está ainda a mudar os seus comportamentos à velocidade que era desejável. E só lá conseguimos ir se houver uma abordagem sistémica, que mexa nas questões sociais, económicas e também técnicas, que envolva vários ministérios, que haja perseverança. Isto é um trabalho para gerações. Nós só estamos a ajudar a construir o prefácio.

Em 2006, como sapador florestal viveu um dos momentos mais marcantes da sua vida, já que viu morrer dois companheiros chilenos no fogo.

Eu não comandava a equipa, eu era um sapador. Quem morreu foram os sapadores 7 e o 8, eu era o 9º da fila. O que me deu uma experiência humana, de confronto de questionamento. Afastei-me durante um tempo e só regressei à atividade devagar. Depois paulatinamente pensei que o meu contributo é ajudar a que isto não volte a acontecer com mais ninguém. Voltei a agarrar nos dossiers e com essa experiência tentar mitigar que os meus colegas e camaradas aprendessem o que aprendi a não cometer os mesmos erros que aquela equipa cometeu. Até aproveitei agora uma sessão de formação da GNR que aconteceu na Figueira da Foz e dos 508 que vão entrar, para ir lá pessoalmente para lhes dar o meu testemunho. Para que eles percebam que nós não estamos nisto para combater as chamas, para combater o fogo. Estamos porque precisamos das árvores, porque precisamos da floresta e temos de a proteger. A razão de ser de estar nesta missão é porque acredito genuinamente que necessitamos das árvores e das florestas para ter uma vida com qualidade. Porque senão a riqueza vai-se embora e não temos um futuro muito risonho.

As tragédias do ano passado surpreenderam-no com tantas mortes? Alguma vez pensou que podia acontecer?

Infelizmente sim. Fui treinado e o meu papel é olhar para distribuições probabilísticas, enquanto gestor de risco, e perceber que para além da normalidade há eventos extremos, que nós nunca imaginamos que possam acontecer, mas têm sempre uma pequena probabilidade. Nunca imaginei que Oliveira do Hospital fosse exposta aquilo, porque tinha gestão florestal, funcionava, mas num evento de baixíssima probabilidade aconteceu uma consequência dramática. A zona de Pedrógão, o IC8, é uma zona que está há muito tempo identificada. Como há outras situações que estão identificadas, a questão é a janela meteorológica aconteceu em 2017. Podia ter acontecido em 2014 ou em 2012. A questão foi naquele dia.

Os peritos alertavam para isso há muitos anos?

Há muitos anos. Tenho os relatórios todos desde 1980 e o problema está identificado. As fragilidades que a Comissão Técnica Independente (CTI) identifica de conhecimento/qualificação, planeamento e ordenamento do território estão identificadas desde os anos 80, recorrentemente. A memória das vítimas é muito impressiva nessa dimensão, o reconhecimento da sociedade que isto não está a funcionar também é muito importante para exigir que o poder político e as administrações do Estado façam o seu trabalho bem feito e garantir que as peças estão alinhadas - as políticas públicas, os instrumentos - e que há um sistema que tem uma génese técnica que não é resultado das circunstâncias. As pessoas que faleceram, os feridos que ficaram, os que sobreviveram, merecem essa homenagem.

O caderno de encargos das CTI era gigante. O que está posto em prática e o que falta fazer?

Há muitas medidas que estão em curso, nomeadamente as mais prementes do SIRESP, do reforço das antenas, de ter mais recursos de combate na GNR, há coordenação de combate aéreo pela primeira vez, com duas aeronaves ligeiras, vai haver maquinaria pronta a arrancar em eventos execionais. Há uma parte mais fundo, que demora mais tempo, e que tem a ver a definição dos enquadramentos formativos, e está também a ser trabalhada com a escola nacional de bombeiros. Há o desenho do próprio sistema, a segmentação do que é prevenção, do combate e da profissionalização e especialização que também está a funcionar, embora com passos que são tímidos e que nunca iriam ter impacto na campanha de 2018. O que estamos a fazer é uma transformação sem roturas. Já há 79 equipas de intervenção permanente nos bombeiros. Já há GIPS mais envolvidos pelo lado da prevenção. E espero que os bombeiros também deem apoio às povoações nas queimas e queimadas até ao final do mês de junho. E há um número que é o 808200520 em que a GNR, com o Instituto de Conservação da Natureza (INCF), tem um callcenter que ajuda as pessoas sobre as queimadas [há também uma aplicação informática para autorizar as queimadas]. A gestão de combustíveis pelos privados foi um princípio, mas as faixas à volta das casas não têm a consequência que todos gostaríamos que tivessem a travar um incêndio, vai haver projeções e vai haver aldeias em risco e as pessoas não podem andar nas estradas a ver os incêndios. Esse comportamento tem de mudar. O país continua muito vulnerável, as pessoas continuam muito expostas. Sobre a rede viária básica está acontecer muita coisa, com um orçamento de 34 milhões de euros. Há uma mobilização muito grande para salvar as infraestruturas, as aldeias. Para isto acontecer tem de haver um sistema de avisos e de alertas de comunicação de risco ajustado em que as pessoas todas, as que nos visitam e que aqui vivem, saibam o que fazer quando são confrontados com um alerta de um incêndio. Fogem? Ficam em casa? Vão para o refúgio? Escapam à solta? São evacuadas? São evacuadas com tempo ou à pressa? O sistema português de proteção civil não é um sistema de comando e controlo puro e duro, de comando central de Lisboa manda em tudo. As responsabilidades são da freguesia do município. E quando estes sistemas de base falham o Estado ajuda a resolução do problema quer na prevenção quer no combate. Há também o plano nacional de redução das ignições, porque a sua maioria são queimas e queimadas, que ficam proibidas a partir de 1 de julho até 30 de setembro. Nessa altura não se podem fazer, é crime! E são os nossos vizinhos, as pessoas que conhecemos...

Mas há uma ideia então errada que a maioria dos incêndios parte de ações criminosas com intuitos económicos?

A intenção com dolo, com intenção económica, felizmente são pouquíssimos Só 13% de todos os incêndios podem ter uma leitura incendiária, mas associados a comportamentos de alcoolismo, exclusão social, loucura, piromania. Essa ideia tem servido, infelizmente, para que o sistema que administra politicamente as expectativas e os sistemas técnicos se desresponsabilize e também não perca a face. Já estive em "n" incêndios em que começaram com uma senhora a fazer uma queimada porque não estava lá ninguém para ajudar e estava vento e o incêndio escapou. Nenhum comandante perante os seus homens vai dizer estamos a fazer isto porque uma senhora de 80 anos pôs um fogo. Isto desmobiliza. Perante a pressão do microfone, muitas vezes, a explicação mais fácil, a que galvaniza e que envolve a equipa contra uma ameaça é ideia do incendiário, a de que andam aí uns malandros.

Mas isso esconde o verdadeiro problema...

Vamos montar um sistema que face às causas desenhe as medidas. Não que reaja emotivamente, que reaja com base em bocas e ideologias, ideias demagógicas e populistas. Não! O problema é sério, tem uma resposta técnica, vamos implementá-la. Morria-se muito nos hospitais no princípio do século porque os médicos não lavavam as mãos. O país foi capaz de superar o atraso científico, o país reduziu a mortalidade infantil, os desastres na estrada, a droga, os problemas que existiam nos anos 80 estão a ser trabalhados, porque não resolvemos isto?

A "revolução" no sistema de proteção civil vai acabar com o sistema de nomeação dos comandantes dos bombeiros. O que acontecerá aos que estão em funções?

Há uma fase de transição. Nós aqui podemos nomear pessoas por comissão de serviço, no entanto abrimos um concurso para criar uma bolsa de peritos. Temos 700 candidatos que vamos seriar para ver quem são os mais capazes face a currículos, que não têm de ser qualificações académicas, porque eu por ser licenciado numa determinada área não quer dizer que tenha habilitação profissional para executar uma determinada tarefa e essa confusão aconteceu. A ideia é a capacitação como requisito de entrada e credencial para executar aquela função. E isso implica montar um sistema com base em avaliação. Nos Estados Unidos eu posso combater um incêndio desde que tenha uma carta a habilitar-me até 'x' hectares com esta complexidade. Se a complexidade do incêndio sobe eu deixo de ter competência para e tem de vir outra pessoa administrar o problema. E temos de ter um sistema baseado em padrões internacionais, como em Espanha, na América, na Austrália, na Argentina. Todos os países estão a caminhar no sentido da credenciação. Mesmo quando há fogos durante três ou quatro anos é preciso fazer uma reciclagem. O piloto de avião ele não vai ter um acidente, mas treinou como reage se tiver um acidente. Temos de caminhar para a credenciação via escolas e através da experiência, mas tem haver um processo comum de normalização de alinhamento de strandards. A experiência que as pessoas têm é muito relevante.

Mas a transição...

A experiência que existe é super útil e válida. O que é importante para combater um incêndio? O conhecimento do terreno, do comportamento do fogo, dos atores locais, o comando dos homens. Imagine que há um comandante que conhece o terreno, que é muito bom a comandar os homens, sabe de fogo , mas que já não tem a capacidade física, ele pode passar a ter a mesma função mas a ser o técnico que faz o planeamento e que faz o apoio à decisão. É como a Seleção, vão os que estão em melhores condições de representar o país.

O que vai acontecer com a Proteção Civil?

Vai caminhar-se o sentido da profissionalização, na definição de competências, de procedimentos e de funções. E há-de haver um processo de recrutamento. Nós em 700 candidatos vamos preencher 30 lugares. Quem está a fazer o recrutamento foi uma empresa que ganhou aqui um concurso para fazer o recrutamento. Há um júri que vai seriar os currículos e nos vai propor quem são as pessoas mais habilitadas para as tarefas.

Esses 30 lugares são para a Agência?

São e era uma comissão de serviço, nós podíamos nomear, mas decidimos montar um processo transparente, baseado em currículos e numa avaliação: as pessoas vão fazer testes físicos, vão fazer testes médicos, vão fazer testes curriculares e psíquicos. Têm ou não competências emocionais para administrar o stress? Isso tem de ser testado. Este modelo pode ser inspirador para o recrutamento que não é só na proteção civil, é no ICNF, que vai ficar no futuro com muitas responsabilidades.

Que responsabilidades serão as do INCF?

A integração da prevenção e do combate. Vai existir, como está na resolução do Conselho de Ministros, a especialização e segmentação dos agentes intervenientes neste processo. A gestão dos fogos rurais ao Ministério da Agricultura, a proteção das pessoas à Administração Interna. Combater um incêndio que ameaça uma aldeia não tem nada a ver com combater um fogo que percorre o espaço florestal. São técnicas diferentes, são motivações diferentes. Eu, enquanto sapador florestal, sei usar uma enxada e sei defender a floresta. Eu não sei, porque não fui treinado para isso, defender uma aldeia, porque são casas são infraestruturas. É um uso muito intensivo de água. Vamos pôr as competências treinadas e credenciadas a fazer o que tem de ser feito para aumentar a eficácia e a eficiência dos recursos que estamos a gastar.

Sempre defendeu uma cadeia de comando única. Quem vai gerir esta cadeia de comando? Será a agência?

Não. Quem desenha, quem pensa e quem estrutura o sistema de governação e de gestão do risco de incêndio a Agência. Orçamentos, tarefas, calendarização das atividades, a transversalidade das medidas. Em caso de incêndio quem comanda e quem lidera os homens é o que se chama Sistema de Gestão de Operações, que tem um comandante operacional de socorro, que é, na cadeira de comando, no limite, o comandante nacional de Operações de Socorro da Proteção Civil. Como é que os recursos das várias entidades, públicas e privadas, participam no escalonamento e no avanço do dispositivo? Com base em regras e em competências. É um sistema multi-agência, coordenado pela Proteção Civil a gerir eventos. Um processo macro de governação de risco, coordenado pela Agência, em que o ICNF tem uma dimensão e a Proteção Civil tem outra, apoiada pela GNR, forças Armadas, pelos bombeiros.

Concorda com a participação dos militares no combate aos fogos?

As competências dos militares são excecionais. O que é treinado um militar a fazer? A cumprir ordens, a reagir a situações de stress, a decidir com base em procedimentos, a receber uma carta de missão e a executá-la. O comando num incêndio é atribuir uma missão a homens que estão a executar uma tarefa. Portanto os militares podem trazer competências, planeamento, logística. Não têm de ser eles a comandar, mas podem ajudar. Se há um colapso do sistema é bom que o Estado tenha em situações críticas capacidade complementar de resolver ao último nível um evento mais dramático e aí é bom que os militares estejam presentes.

Os fundos comunitários devem ser canalizados para a mudança de perfil da nossa floresta, sobretudo composta por pinheiros e eucaliptos? Trabalhou para as celuloses, se calhar discorda...

Sou um técnico, não sou um acionista... Nunca plantei um eucalipto.

Seria então favorável a essa mudança de perfil?

A maioria da floresta é privada, o Estado investe imenso a proteger um recurso que é privado, que tem pontos positivos: o carbono, a conservação da natureza, a biodiversidade, que apreciamos e recebemos quase gratuitamente nas cidades, onde a maioria da população vive e vota. Mas há pontos negativos que contribuíram para o drama que se viveu o ano passado, que estão associados à não gestão ativa da floresta, que é privada e da qual os proprietários tiram um benefício. Então tem de haver aqui uma partilha de valor. O Estado está a investir imenso proteção das pessoas e tem um dispositivo de apoio ao proprietário florestal na gestão do seu ativo floresta, mas quem compra o seu produto tem de partilhar valor para que o proprietário florestal não abandone a floresta.

Mas isso tem mais a ver com a gestão do que existe e não tanto com a mudança de perfil da floresta...

O que tem de se reconhecer é que mesmo um bom sistema de prevenção e de combate, e se o contexto da floresta não se altera, e se não mobilizamos o dono da terra em investir em gestão ativa, sustentada, em que as empresas que compram os produtos se comprometem a ser também parte da solução, apoiando a gestão ativa, transferindo valor de quem compra o produto final para quem produz a matéria-prima. A paisagem não muda, porque a propriedade é privada e o dono da terra está numa lógica de abandono porque não recebe a compensação relativa ao capital investido. Tem de haver aqui uma forma diferente de mobilizar os atores. Os fundos comunitários podem dar um contributo, mas mesmo que inundemos isto com fundos comunitários o problema não se resolve porque as lógicas que estão na cabeça do proprietário florestal são rentistas, uma lógica económica. E o subsídio não resolve a origem do problema, que é a partilha de valor. É o de produzir um bem que é valorizado pela indústria e que é valorizado pela sociedade.

Houve notícia, no DN, que a Autoridade Nacional de Proteção Civil não teria encarado com bons olhos o convite feito a peritos da União Europeia, no caso espanhóis, para vir a Portugal? Justifica-se o mal-estar?

Toda a gente reconhece que é preciso mudar. Então vamos mudar. Então quem sabe disto? Os estrangeiros sabem, têm melhor performance do que nós. Então vamos lá perguntar e pedir ajuda. E isso é positivo. Os espanhóis vieram e houve 240 bombeiros, GNR, sapadores florestais que participaram nas ações de formação, que apreciaram e receberam contributos úteis e que também deram. Houve troca de experiências. Naturalmente que a urgência de os trazer era naquela altura. É um passo, mas vêm mais. Vai haver mais gente estrangeira a ajudar Portugal nesta matéria. Como também espero que haja muitos portugueses, das várias forças envolvidas, a irem durante o inverno para os países que agora nos vêm ajudar no verão para eles também aprenderem connosco. Portugal é um país pequenino e podemos ter os melhores profissionais e os mais empenhados, mas temos de melhorar e ter standarts mais afinados com as boas práticas internacionais porque a ameaça é global e nós vamos ter de ajudar o mundo inteiro com os nossos combatentes. A ajudar os espanhóis quando tiverem uma crise, a ir para Grécia, para o Chile, para a Austrália, para os Estados Unidos, porque a interoperacionalidade de recursos à escala mundial é o caminho. Há naturalmente sempre resistências pontuais.

Os meios que estão disponíveis para combate aos incêndios este ano são suficientes?

São suficientes. Não nos falta músculo, mas temos de melhorar o jeito com que rematamos. Temos que integrar o conhecimento na operação, na gestão estratégica e tática e no combate. Os meios têm de ser usados com mais eficiência para ter melhores resultados. Têm de se alterar os processos. Não precisamos de mais recursos, precisamos de mais conhecimento. Não é um problema de hardware é de software.

O programa Aldeias Seguras é um primeiro passo para envolver mais as populações?

Além de haver mais botas no terreno e mais olhos no ar, que é o que este reforço de recursos tem, há que reconhecer que o território continua vulnerável e que Portugal continua exposto a um evento, não digo como 2017, mas pode acontecer uma meteorologia severa em setembro e as populações voltarem a estar expostas. O que não pode acontecer o sistema reagir como reagiu e as pessoas morrerem numa estrada. As pessoas têm de ser treinadas e ensinadas a perante um incêndio não pegar no carro e não se meter por uma estrada; vá para o centro da aldeia, pegue nos seus e fique dentro da igreja. O programa das aldeias seguras é muito importante para isso, para evitar as tragédias com a dimensão que houve. Pode acontecer um evento em que morrem pessoas, pode porque no pânico as pessoas podem fazer tudo. Estamos a trabalhar para que não se repitam as tragédias, Pode falhar? Como tudo pode falar, mas estamos a trabalhar, quer a nível político quer a nível da administração pública, com grande empenho e motivação. O tempo é curto para o trabalho todo que tem de ser feito, mas demos prioridade ao que é prioridade, que é pode arder muita floresta pode arder muito mato, mas não podem morrer pessoas. E estamos ansiosos para demonstrar que as coisas correm pelo melhor porque nos preparámos para o pior. O programa necessita de melhorar porque é muito do topo para a base, quando o segredo da sobrevivência das comunidades é o espírito das comunidades nestes eventos que aconteceram. As comunidades salvam-se porque já tinham pensado ou houve lideranças locais que as fez ser diferentes. Ninguém falou disso, mas esteve cá um canadiano a pensar sobre isto, que trabalhou com o professor Xavier Viegas, com a própria Associação da Vítimas de Pedrógão, com Nadia Piazza, e foi-se trabalhando aquela ideia para um modelo mais inclusivo para as propostas que havia. Nos observamos os casos dos Estados Unidos, do Canadá e da África do Sul, que tem belíssimos programas de envolvimento das comunidades, e temos de ter standarts. Não estamos lá, mas estamos na direção certa.

Diz-se que parte da resolução dos fogos passa pela repovoação do interior e das zonas rurais. Os políticos falam muito desta necessidade mas nada acontece...

Tenho uma posição dissonante. A tendência mundial é a da urbanização, a concentração da riqueza atrai outros recursos. O nosso interior é o litoral da península ibérica. Se reconhecermos as fragilidades e debilidades do território, a falta de índices de fecundidade, a população envelhecida, não me parece ser possível imaginar voltar a fazer as pessoas regressar aos anos 60, em que viviam de uma forma muito difícil, no trabalho braçal muito intenso e em circunstâncias físicas e sociais e humanas muito precárias. Queremos recolonizar o país neste modelo agrário, numa economia agrícola não competitiva? Porque onde é que vai haver economia agrícola competitiva, é nos vales férteis ou nos sítios que são irrigados. O resto do país, que é 70%, tem que ter uma viabilidade florestal ou silvo pastoril. Se estas duas bases económicas não são os esteios do desenvolvimento económico e também do turismo aquilo que vamos ter são cidades, núcleos urbanos - Castelo Branco, Viseu, Coimbra -ligados por autoestradas com territórios que vão arder como ardiam no final do século XIX. Ou este território é gerido com menos pessoas, mais bem qualificadas e com escala ou se acreditamos que é por pôr lá mais pessoas com motosserras e enxadas, como no modelo dos aos 60, é completamente inviável. Para já é caríssimo e as pessoas não querem isso. A maioria da população quer ter uma lógica urbana e o território ou é atrativo porque há empresas que exploram os recursos locais, floresta e silvopastorícia ou o turismo, porque é que as pessoas vão para o interior, se não têm formas de rendimento?

Então porque os políticos continuam a insistir nessa tecla?

Tem de perguntar aos políticos, eu sou um técnico (riso). A maioria da população quer o país rural porque é o ideário que existe, a modernidade obriga-as a confrontarem-se com os desafios da urbanidade e a resolver o problema da terra que sobra.

É uma coisa idílica?

É idílica. As pessoas têm de se confrontar com um país que é pobre, que não tem viabilidade nos setores estratégicos no interior, que aliás sempre foi uma questão. É preciso reconhecer que um território despovoado não significa abandono. Ele pode estar despovoado e ter agricultura com escala. silvopastorícia, veados. O que temos de ser capazes é de gerir as ervas e os matos para que não arda e isso implica trabalhar com escala. Se nesses territórios não há pessoas tem de se encontrar soluções sociais e de gestão que a tecnologia já permite. Mas tem de ser um território seguro senão vem o fogo e o turismo não é atrativo. Dizer que vamos recolonizar o país, como se fez nos anos 30, não é o caminho. Já se tentou uma vez e não correu bem.

Se for desafiado a ficar à frente da Agência de Gestão dos Fogos, considera essa hipótese?

A direção da agência vai ser via Cresap. É um desafio que tenho de equacionar com a família e amigos, porque estou cansado. Venho para aqui após quatro anos de doutoramento, devia ter ido de férias e não fui, meti-me nisto porque não podia dizer que não e porque acredito que a floresta pode ter uma oportunidades e que as pessoas não podem morrer da forma que morreram. Se eu quero continuar? Não sei. Hoje continuava a aceitar, para a frente logo se vê. Quero é acabar o meu trabalho aqui e depois logo vejo. Se fizermos bem vai ser reconhecido e então se vê se nos habilitamos a candidatar, porque somos uma equipa, não sou só eu.

O Presidente da República fez depender a sua própria recandidatura e a sobrevivência do governo do que acontecer com os fogos em 2018 ...

O que estamos a ajudar a fazer é muito difícil. O que aconteceu em 2017 é fruto de um abandono, de um desleixo de muitos anos, de não gestão ativa do território e de acreditar que os meios de combate iam resolver o problema. Não! Está demonstrado que não! Não é preciso mais meios. Temos de ter capacidade e organização para as instituições estarem capacitadas de recursos humanos para fazer o que será bem feito. O problema tem uma solução técnica, num contexto político e social, mas as coisas têm de estar separadas. Uma coisa é a política, outra é termos um sistema que resolve as coisas. Não vejo um político a dizer como é que um médico deve fazer a operação. Dão o dinheiro ao sistema de saúde e administram-no com estímulos e políticas adequadas, mas é o médico que está no bloco, é o enfermeiro e o anestesista. E esse edifício aqui na Proteção Civil e na gestão das florestas tem de estar mais clarificado. Chegámos a uma situação limite e nós aqui estamos a dar uma resposta técnica para que o regime não esteja tão exposto à vulnerabilidade meteorológica. Estamos a fazer um esforço, mas a nível das instituições também estão a fazer um trabalho muito relevante , o Presidente da República, o governo, Assembleia da República para a técnica tenha o primado no desenho da solução futura e é a única forma de responsabilizar mais tarde os agentes da administração pública que têm de gerir o sistema técnico que vai ficar montado.

Ler mais

Exclusivos