O novo Campo das Cebolas convida ao passeio. "Já beneficiámos com a bela vista"

Quem trabalha na praça desde 1985, ao lado da Casa dos Bicos-Fundação José Saramago, aplaude a renovação. Algumas famílias aproveitaram ontem para estrear o parque infantil da praça renovada por Carrilho da Graça

O "novo" Campo das Cebolas, praça localizada a meio caminho entre o Terreiro do Paço e Santa Apolónia, inaugurado no sábado, atrai agora um público novo que andava arredado de um local que estava algo decadente: as famílias que vêm à Lisboa antiga em passeio. Mesmo num domingo de futebol e com alguns aguaceiros, houve casais que foram em passeio estrear o espaço ajardinado e o parque infantil que está no meio para as crianças brincarem, com vista para o rio Tejo.

Susana Gabino, de 46 anos, e Fernando Domingues, de 42, bancários, vieram de propósito de Carcavelos, no concelho de Cascais, onde vivem, com as duas filhas de 7 e 4 anos para desfrutar do novo Campo das Cebolas. "Não pudemos vir no sábado, na inauguração, e aproveitamos para vir conhecer hoje que está mais calmo, com menos gente", diz Susana, enquanto olha pelas filhas Beatriz e Elisa, maravilhadas com as cordas do parque infantil. "Gosto muito de arquitetura e da traça pombalina e acho que os edifícios desta praça ganharam bastante com a remodelação", acrescenta Susana.

Fernando recorda que o local era antes "pouco convidativo" e que quando vinham a passeio a Lisboa só atravessavam aquela zona "de passagem". Agora vai ser diferente. "Já convida a vir passear", admite. O casal garante é que não se vai deixar tentar pelos restaurantes novos e bares que ali surgiram com ementas em inglês, francês e espanhol. "É para turistas", ri--se Susana.

"Mudou do dia para a noite"

"Já beneficiámos com isto: ganhámos uma bela vista. Mudou do dia para a noite", diz sorridente José Monteiro, 53 anos, um dos donos de um dos mais antigos restaurantes da praça, localizado ao lado da Casa dos Bicos-Fundação José Saramago. Nas costas do famoso edifício está o bairro de Alfama e a Sé de Lisboa, pontos de interesse que motivam os turistas de várias nacionalidades a andar de mapa na mão, rua acima, rua abaixo.

Da esplanada do restaurante do José avista-se o jardim e a entrada para o cais pombalino que foi desenterrado (e que à vista tinha apenas a escadaria de pedra porque o acesso ainda estava fechado ao público). Foram três anos de obras mas, para quem trabalha no Campo das Cebolas há 33 anos, como José Monteiro, compensou. "Em 1985 ainda havia aqui camionagem e despachantes, cargas e descargas. Assim foi até ao ano 2000, dois anos depois da Expo 98. Depois, toda essa atividade acabou e o Campo das Cebolas ficou meio vazio, não mora aqui ninguém. De há dois anos para cá veio o turismo e agora temos a praça renovada. Está muito melhor." José recorda um local que era decadente, com "um ambiente estranho, toxicodependentes e sem-abrigo".

No campo onde se descarregariam cebolas, no século XVI, descarregam-se agora turistas, estrangeiros e portugueses.

Com a requalificação assinada pelo arquiteto Carrilho da Graça ganhou-se uma vista desafogada para um edificado do século XVI de pinturas renovadas e azulejos restaurados cuidados de onde se destaca, como tela singular, a famosa Casa dos Bicos. No coração do largo, vê-se ainda uma escultura em ferro contemporânea, cafés modernos e um percurso da Lisboa medieval e de muralha fernandina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."