O nome do fundador para a biblioteca parlamentar

Oliveira Martins quer programa que mobilize cidadãos para "fatores perenes da democracia". E aponta Passos Manuel como nome para espaço que antigo governante e deputado fundou

É já em outubro que Guilherme d"Oliveira Martins quer homenagear o antigo deputado e governante Passos Manuel, o homem da revolução de setembro de 1836, atribuindo o nome da biblioteca do Parlamento ao seu fundador e assim "reparar uma relativa injustiça".

Chamado a presidir ao bicentenário do Constitucionalismo português, pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, o administrador da Fundação Calouste Gulbenkian explicou ao DN que as comemorações serão a oportunidade de "reconhecer de forma mais clara" o papel de Passos Manuel no Parlamento: "Eu pessoalmente estou a propor que a biblioteca parlamentar venha a ter o nome de quem a fundou e de cujo busto está mesmo à entrada."

Para Oliveira Martins, "estas comemorações do bicentenário do Constitucionalismo português têm uma preocupação de reflexão, de mobilização dos cidadãos e de tomada de consciência dos fatores perenes da democracia", mas também pretendem ter "uma articulação muito forte relativamente à questão da educação cívica, à questão pedagógica, da participação".
As comemorações passam ainda pela "sensibilização da opinião pública relativamente aos valores democráticos", como já aconteceu com a celebração dos 150 anos da abolição da pena de morte. Em 2020 também haverá espaço para um congresso de especialistas, para contribuir para "a melhoria do conhecimento histórico". "Através do estudo historiográfico, todos ganhamos", apontou Oliveira Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.