O nome do fundador para a biblioteca parlamentar

Oliveira Martins quer programa que mobilize cidadãos para "fatores perenes da democracia". E aponta Passos Manuel como nome para espaço que antigo governante e deputado fundou

É já em outubro que Guilherme d"Oliveira Martins quer homenagear o antigo deputado e governante Passos Manuel, o homem da revolução de setembro de 1836, atribuindo o nome da biblioteca do Parlamento ao seu fundador e assim "reparar uma relativa injustiça".

Chamado a presidir ao bicentenário do Constitucionalismo português, pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, o administrador da Fundação Calouste Gulbenkian explicou ao DN que as comemorações serão a oportunidade de "reconhecer de forma mais clara" o papel de Passos Manuel no Parlamento: "Eu pessoalmente estou a propor que a biblioteca parlamentar venha a ter o nome de quem a fundou e de cujo busto está mesmo à entrada."

Para Oliveira Martins, "estas comemorações do bicentenário do Constitucionalismo português têm uma preocupação de reflexão, de mobilização dos cidadãos e de tomada de consciência dos fatores perenes da democracia", mas também pretendem ter "uma articulação muito forte relativamente à questão da educação cívica, à questão pedagógica, da participação".
As comemorações passam ainda pela "sensibilização da opinião pública relativamente aos valores democráticos", como já aconteceu com a celebração dos 150 anos da abolição da pena de morte. Em 2020 também haverá espaço para um congresso de especialistas, para contribuir para "a melhoria do conhecimento histórico". "Através do estudo historiográfico, todos ganhamos", apontou Oliveira Martins.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...