Nyah, a bebé que nasceu na bomba 15 da Galp da Gago Coutinho

Os pais perceberam que não iam ter tempo de chegar à maternidade e pararam na bomba de gasolina para pedir ajuda. Patrícia Mendes largou a caixa e ajudou a nascer um bebé

8.40 da manhã, 28 de maio, uma segunda-feira como tantas outras a começar em Lisboa. Nasser Camará estaciona o carro na bomba 15 e sai a correr em direção à caixa: "Preciso de ajuda. A minha mulher vai dar à luz." Tremem-lhe as mãos e a voz. Patrícia dirige-se para o carro para ver o que se passa. No carro, com a porta aberta, está Samira Semedo em pleno trabalho de parto. Enquanto uma outra empregada, Tatiana, fala ao telefone com o INEM e anda de um lado para o outro, trazendo água e guardanapos de papel, Patrícia fica com o casal. 7 minutos depois nasce Nyah. Enrugada, cabeluda. 3,310 quilos e 50 centímetros. E uns pulmões fortes. A bebé chora. E todos choram com ela.

Isto aconteceu há duas semanas. Hoje, Nyah voltou ao sítio onde nasceu, com os pais, e reencontrou-se com as suas parteiras para que todos ficássemos a saber a sua história. Nunca tal tinha acontecido num posto da Galp e para assinalar a ocasião a marca decidiu reunir todos os intervenientes e oferecer-lhes algumas prendas, numa cerimónia improvisada entre prateleiras de bolachas e anúncios de descontos em gasolina.

A manhã estava a correr bem até começarem as contrações

Nasser, de 40 anos, e Samira, de 30, moram no Bairro do Armador, na Belavista. Ela é operadora de caixa num supermercado e ele é segurança e personal trainer. Nyah não é a sua primeira filha, têm um rapaz com 10 anos. Por isso, para eles, o parto não é uma novidade. Nasser já tinha assistido ao nascimento do filho. "Mas foi há muito tempo", diz. Naquele dia, Samira acordou às 4 da manhã com algumas contrações mas sem dores.

A gravidez já ia nas 39 semanas e três dias e ela sabia que a bebé poderia nascer a qualquer momento. E voltou a dormir. Acordou pouco depois das 8, tranquila, e de repente começaram as contrações muito seguidas. "Olha que a mãe está aflita", avisou o rapaz. "Não está nada", respondeu o pai, pensando em todas as vezes que ela o tinha obrigado a ir a correr para a maternidade por coisas de nada. Samira foi tomar banho e vestir-se, mandou o filho mais velho para a escola e entrou no carro com o marido para irem à maternidade perceber o que se passava. "Íamos pelas Olaias, mas apanhámos imenso trânsito e tivemos que vir por aqui. De repente ela diz-me que não vale a pena, que temos que parar e pedir ajuda", conta Nasser.

Água quente e toalhas? Aqui só há água engarrafada e toalhetes de papel

As bombas da Galp estavam cheias àquela hora da manhã. Entre menus de pequeno-almoço, cafés e combustível, Tatiana Gaspar não tinha mãos a medir com trabalho. Mas deixou tudo para ajudar no parto. Ao telefone, o INEM dizia que eram necessárias toalhas e água quente. Ela arranjou água engarrafada e toalhetes de papel. Era o que havia. Os vídeos das câmaras de vigilância mostram-na a correr de um lado para o outro. "Fiquei um bocadinho nervosa", recorda. Tatiana tem 23 anos e nunca tinha assistido a um parto.

Patrícia Mendes lembra-se que naquele momento em que se dirigiu para o carro não fazia ideia do que aí vinha. "Achei que ia ficar só ali a segurar-lhe na mão enquanto esperávamos pelo INEM", conta a rir. Consigo ia Adalberto, um outro funcionário que, por acaso, até tem um curso de primeiros socorros. Mas o pai pediu a Adalberto que se afastasse. Logo perceberam porquê: no veículo, sentada no lugar do pendura, a mulher, Samira Semedo, estava já seminua, ensanguentada, a contorcer-se com dores. Não havia tempo para nada.

Patrícia tem 38 anos e uma filha de nove. "Mas nasceu de cesariana, nem sei o que são as dores do parto", diz, como que pedindo desculpa. Mas ninguém diria que não tinha qualquer experiência. Foi ela que, com um simples toque de dedos, fez rebentar a bolsa. Foi ela que conseguiu ajudar Samira a acalmar-se. "Agarra-te a mim e faz força", ordenou-lhe. "Ela estava com muito medo, fechava as pernas e não queria fazer força. Mas eu disse-lhe que tinha de ser."

E a bebé chorou

À segunda contração, nasceu Nyah. O pai estava mesmo ali, de mãos estendidas, e segurou-lhe a cabeça, ajudou o ombro a libertar-se, apanhou-a quando "ela saiu disparada" do corpo da mãe. Limparam-lhe o nariz e a boca, seguindo as indicações do INEM. Nyah chorou. Por momentos, Nasser esqueceu-se de tudo resto. Esqueceu-se que estava na bomba 15 da Galp da Gago Coutinho. Esqueceu-se até da mulher, exausta, sentada no banco reclinado do carro. "Fiquei ali a olhar para ela, a contar os dedinhos, a ver se estava tudo bem", conta. Até que Patrícia lhe disse: "Dá a bebé à mãe." E ele, acordando daquele sonho, colocou a Nyah no peito da mulher. Tinham conseguido.

Tinham passado apenas sete minutos mas parecia que tinham passado horas. "Quando finalmente a bebé nasceu estávamos todos agarrados uns aos outros a chorar", conta Patrícia. Pouco depois apareceu um carro dos bombeiros que estava estacionado do outro lado da rua e foi chamado por um cliente. E cinco minutos depois, finalmente, a ambulância do INEM chegou e levou-as para a maternidade.

Correu tudo tão bem que Samira se levantou e foi pelo seu próprio pé para a ambulância, onde lhe cortaram o cordão umbilical. Mãe e filha foram levadas para a maternidade. Nasser ficou um pouco mais na bomba para limpar o carro. E prometeu voltar para contar as novidades.

"Eles vieram cá mostrar-nos a bebé e nós oferecemos-lhe uma malinha com produtos. Criou-se uma ligação. A menina é nossa sobrinha emprestada", diz Patrícia, enquanto pega na minúscula Nyah ao colo. Está vestida de cor-de-rosa, com uma fita na cabeça e abre muito os olhos. Choraminga de vez em quando. Está um pouco constipada, mas não precisou de quaisquer cuidados especiais depois da aventura do nascimento na rodovia. Samira diz que é uma bebé "muito calma" e que até agora tem dado "umas noites ótimas".

A Galp ofereceu à família mil euros em combustível para um ano e dois anos de energia gratuita, as funcionárias Patrícia e Tatiana também receberam 250 euros de combustível. "Queremos agradecer-lhes por nos terem dado boa energia", brincou João Filipe Torneiro, diretor de marketing da Galp.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".