Navio que estava encalhado em Lisboa já flutua

O navio vai ter de ser inspecionado, para verificar se tem de ser reparado antes de seguir viagem

O navio que estava encalhado há dez dias no Bugio, na foz do rio Tejo, à saída da barra de Lisboa, começou a flutuar às 02:30 de hoje, disse à agência Lusa o porta-voz da Autoridade Marítima Nacional (AMN).

"O rebocador começou, pelas 00:00, a aumentar de forma progressiva a tração, tendo arrastado o navio para uma zona mais profunda, ficando a flutuar pelas 02:30", explicou Fernando Pereira da Fonseca.

"Apanhou uma cota mais profunda, na ordem dos seis metros, e o rebocador fez o puxão final nessa altura", disse.

Segundo Fernando Pereira da Fonseca, "um segundo rebocador mais pequeno irá passar hoje um segundo cabo para que o navio possa ser rebocado para atracar no cais do Beato".

"A empresa que está a fazer o desencalhe achou que o rebocador de grande envergadura já não fazia sentido, porque o trem de reboque que estava passado tinha quase dois quilómetros de comprimento, e foi decidido passar o reboque para dois rebocadores mais pequenos, que estão a levar o Betanzos para o cais do Beato", explicou.

O responsável adiantou que o Betanzos deverá chegar cerca das 10:00 ao cais do Beato, onde será inspecionado.

"Se tiver danos, tem de ser reparado antes de prosseguir viagem. Caso contrário, pode retomar a viagem", acrescentou o porta-voz da AMN.

"Será alvo de uma inspeção, sobretudo à área submersa, com particular cuidado para a hélice e a porta do leme, o governo do navio, que lhe dá a sua propulsão".

"À partida, na zona da quilha, o fundo do navio, provavelmente não tem qualquer dano, mas o facto de a hélice ter estado em contacto com a areia pode fazer com que haja algum dano e isso tem de ser avaliado", disse o responsável.

Fernando Pereira da Fonseca sublinhou ainda que terá igualmente de ser avaliada a âncora que ficou no fundo, quando o navio tentou fundear: "Desconheço se o navio tem uma segunda âncora. Se não tiver, esse sistema, que permite o navio fundear, também tem de ser recuperado para o navio poder seguir viagem".

"Só depois das inspeções técnicas é que o armador poderá avaliar quais serão as próximas tarefas e, eventualmente, planear eventuais trabalhos para o navio seguir em segurança para o próximo porto", acrescentou.

O "Betanzos", com dez tripulantes a bordo, encalhou na madrugada de dia 06 de março, cerca das 01:00, à saída da barra de Lisboa, após uma falha total de energia e da tentativa de fundear.

O navio estava encalhado perto do farol do Bugio, no forte de São Lourenço do Bugio, concelho de Oeiras, na foz do Rio Tejo, e transporta oito mil toneladas de areia com sílica, usada na indústria de porcelana e cerâmica.

A bordo do navio, que se deslocava para Casablanca, em Marrocos, estão 130 toneladas de combustível e 20 toneladas de resíduos oleosos. De acordo com o porta-voz da AMN, na ausência de danos estruturais, o risco de derrame é baixo.

No dia 08, como medida de precaução devido ao mau tempo, dez tripulantes e quatro elementos técnicos foram resgatados do navio pelo helicóptero da Força Aérea Portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.