Morreu o embaixador Fernando Reino

Foi também chefe da Casa Civil de Ramalho Eanes

Morreu Fernando Reino, na madrugada de domingo, aos 88 anos. Nascido a 5 de agosto de 1929, na freguesia de Felgar, em Torre de Moncorvo (Bragança), foi embaixador de Portugal em vários países e diplomata em diversas missões, tendo acabado a carreira em Nova Iorque, como embaixador junto das Nações Unidas.

Entre as várias funções que desempenhou, foi embaixador em Tóquio e em Oslo e Chefe de Missão em Reiquejavique e ainda embaixador junto das Nações Unidas. Esteve à frente da embaixada de Madrid e foi Representante Permanente nas Nações Unidas. Desempenhou também as funções de Encarregado de Negócios na Embaixada de Tananarive e Cônsul na cidade do Cabo. Coordenou a Comissão Nacional de Descolonização, tendo participado na Conferência do Alvor e foi Chefe da Casa Civil do Presidente da República, General Ramalho Eanes.

O embaixador Francisco Seixas da Costa recorda-o no seu blogue "Duas ou três coisas", onde conta que Fernando Reino foi o seu primeiro embaixador quando, em 1979, foi colocado na Noruega. "Trabalhámos pouco tempo juntos. Menos de um ano depois, Reino viria a ser chamado por Ramalho Eanes para chefe da sua Casa Civil. Mas, desde os fiordes, ficámos amigos para sempre", escreve Seixas da Costa.

"Foi um excelente diplomata, com grande sentido de Estado e dos interesses nacionais", escreveu ainda o professor universitário, que sobre Reino disse ainda ser uma "'força da natureza' incansável e absorvente, com um ritmo de atividade difícil de acompanhar".

Seixas da Costa define-o como um "europeísta e profundamente empenhado na reforma e modernização da nossa máquina diplomática" - "via o país em grande".

Já antes - por altura do 88º aniversário do antigo embaixador - Seixas da Costa escrevia no seu blogue sobre Reino, que tinha sido "um dos rostos mais proeminentes da geração diplomática que viria a fazer a transição dos regimes separados pelo dia 25 de abril de 1974".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.