Ministro da Economia antevê "perspetivas muito interessantes" para turismo

Caldeira Cabral disse que depois do "recorde de 2016, com 19 milhões de turistas", se assistiu em janeiro a um novo crescimento de "dois dígitos"

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, caracterizou os números do crescimento das dormidas de turistas em janeiro como "fantásticos" e que "abrem perspetivas muito interessantes para 2017".

"São números fantásticos, que mostram que o crescimento do Turismo continua a ser muito forte, abrem perspetivas muito interessantes para 2017", comentou o governante à agência Lusa, notando estar a formar-se um padrão nas estatísticas de "um crescimento muito forte do Turismo na época baixa, baseado em novos mercados".

Caldeira Cabral comentava que depois do "recorde de 2016, com 19 milhões de turistas", se assistiu em janeiro a um novo crescimento de "dois dígitos, com as dormidas a aumentarem quase 13%, com as dormidas de estrangeiros a aumentarem 17,6% e com os proveitos de hotelaria a continuarem a crescer acima do número de visitantes: 18% em janeiro".

O ministro notou que os "mercados tradicionais cresceram bem", "mas houve um crescimento muito forte quer do Brasil, quer dos Estados Unidos", referindo a aposta que tem sido feita de "atração e diversificação de mercados".

Falando no primeiro dia da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), que decorre até domingo na FIL, o ministro aproveitou para destacar à Lusa o "otimismo que se vê" no local.

"Ainda agora nos estavam a dizer que é a melhor feira de sempre, que começou a recuperar e que está a afirmar-se de forma muito forte. O sentimento que está aqui é de otimismo, que está haver uma boa colaboração entre os privados e o setor público, que conseguem estes resultados fantásticos para Portugal", disse.

O governante recordou ainda as 64 novas rotas aéreas em 2016 e a programação para este ano de 51, resultado de um "trabalho muito grande" e que faz com que rotas habituais de verão também se façam no inverno.

O ministro acrescentou que as 64 novas rotas se dividiram entre os vários aeroportos nacionais.

"Há espaço para o crescimento do Turismo para todo o país, é isso que queremos: é que os turistas que já visitam Lisboa, o Porto e o Algarve possam visitar também outras partes do território. Descobrir outros aspetos em Portugal, o que já estão a fazer hoje e é isso que também dá mais sustentabilidade a este crescimento no Turismo", argumentou.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou hoje que as dormidas na hotelaria aumentaram 12,6% em janeiro, face ao mesmo mês de 2016, principalmente devido aos residentes no estrangeiro, que contribuíram com uma subida de 17,6%.

A hotelaria registou 984,6 mil hóspedes e 2,4 milhões de dormidas em janeiro de 2017, o que equivale a acréscimos homólogos de 14% e 12,6% (mais 8,1% e 10,6% respetivamente em dezembro de 2016).

As dormidas do mercado interno aumentaram 2,4% (5,1% em dezembro de 2016), e as de mercados externos cresceram, então, 17,6% (14% em dezembro), segundo o INE.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.