Ministra da Justiça alerta para persistência de racismo

Francisca Van Dunem apresentou um livro que conta a história de um menino que é discriminado pelas outras crianças por causa da cor de pele

A ministra da justiça, Francisca Van Dunem, aproveitou o lançamento de um livro infantil sobre racismo para alertar que "infelizmente este é um problema que ainda existe" nas sociedades e ao qual não se pode deixar de dar atenção.

À margem do lançamento do livro "Artur e a Magia do Coração", de Isabel Santos Moura com ilustrações de Vânia Clara, em Lisboa, a ministra da Justiça disse à Lusa que o racismo "infelizmente ainda corresponde a um padrão social".

"As crianças nascem e acabam por se enquadrar, todos nós somos formatados pelas sociedades em que nos inscrevemos, e é natural que os mais pequenos reproduzam, num certo sentido, os padrões e os estereótipos que existem relativamente à diferença", salientou.

"Artur e a Magia do Coração" conta a história de um rapaz que tem uma cor de pele diferente e que, por isso, é excluído das brincadeiras pelas outras crianças. A fim de colmatar a solidão, uma fada dá vida a um boneco de neve com a qual Artur pode brincar.

O Ministério da Justiça, de acordo com Francisca Van Dunem, durante uma intervenção no lançamento da obra, apoia o lançamento deste livro com "grande entusiasmo porque aquilo que está em causa são matérias de justiça e injustiça", pois o racismo "é um absurdo, e infelizmente é um problema que ainda existe nas nossas sociedades e que não podemos deixar de dar atenção".

A ministra da Justiça realçou que "todos os passos que se passam dar são bem-vindos e contribuirão seguramente para um bom resultado no final".

"A Dra. Isabel Santos Moura encontrou uma forma de falar e falar para todos, porque este é um livro que é para crianças e para adultos. Tem uma linguagem muito simples, mas profundamente apelativa, e permite a compreensão da irracionalidade e do absurdo do fenómeno do racismo, a discriminação das pessoas em função da sua raça", elogiou a ministra da Justiça.

O livro

No livro, o boneco de neve, criado pela fada Luana, começa a brincar com Artur, e as crianças, que inicialmente se recusaram a aceitá-lo, observam atentamente, mas por vergonha e teimosia não se chegam a aproximar.

Posteriormente tentam aproximar-se do jovem mas não conseguem brincar com o boneco de neve da mesma forma que Artur, porque o boneco decide não reagir e recusa-se a brincar. Ao observar a situação, a fada decide intervir para explicar que as crianças apenas cometeram um erro.

"E esta é a magia desta fabula, que obviamente corresponde a um conto, mas que nós gostávamos que se tornasse realidade, e para se tornar real é importante que as pessoas consigam perceber e entender que somos todos diferentes mas todos iguais, que o mundo tem tanta cor como as mil cores da paleta do arco íris e que seguramente seria muito triste e muito cinzento se não houvesse diferentes tonalidades de cor", acentuou.

Francisca Van Dunem terminou a sua intervenção na sessão citando uma frase do ativista norte-americano Martin Luther King: "O aspeto mais importante acerca do homem não é a cor da sua pele ou a textura do seu cabelo, mas a textura e a qualidade da sua alma".

A autora do Livro, Isabel Santos Moura, disse por sua vez que desde cedo se interessou pelo mundo dos livros e da escrita ganhando, com 8 anos, o primeiro prémio de um concurso literário infantil no género de conto, mas em declarações à Lusa, reconheceu que não quer somente escrever histórias para ajudar as crianças a adormecer e pretende também "escrever histórias que tenham uma mensagem".

"Decidi escrever sobre o racismo porque este tema ainda é um pouco tabu, as pessoas até podem negar a sua existência e afirmar que este livro pode nem ser necessário, mas na minha opinião este problema ainda existe e uma das formas de o combater é precisamente, ou pode ser, através da escrita", sublinhou a autora.

A principal mensagem do livro, de acordo com a escritora, é que independentemente da cor da pele "todos nós somos iguais e que a amizade não tem cor".

"As crianças não nascem racistas, estas tornam-se racistas. Desta forma, é cada vez mais importante abordar estes temas com os mais novos, até para que estes consigam perceber quando os seus próprios familiares estão a agir de forma menos correta e consigam dizer 'isso é errado'", explicou ainda a autora da obra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.