Ministério Público pede nulidade do polémico "mono do Rato"

Licenciamento foi aprovado há 13 anos mas só em 2018 é que as obras começaram. Agora, foi ordenada a sua suspensão

O Ministério Público entrou com uma ação administrativa no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa que visa declarar a "nulidade do ato de licenciamento de obra de construção situada no 'gaveto' formado pela Rua do Salitre, Rua Alexandre Herculano e Largo do Rato, em Lisboa". Ou seja, o edifício - cujas obras começaram há poucos meses - que é conhecido como "mono do Rato".

"A referida ação foi proposta contra o município de Lisboa, tendo como parte contrainteressada a promotora da obra, e fundamenta-se, a título principal, nas várias nulidades de que padece a mencionada licença", lê-se num comunicado.

Entre as questões abordadas no processo estão a "insuscetibilidade de afetação do edifício à atividade hoteleira, a reconversão do espaço público, o acentuar do isolamento da vizinha Sinagoga bem como matéria respeitante à acessibilidade de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida".

O Ministério Público diz que a ação foi proposta depois do "público e notório início de trabalhos no local" e também "perante notícias da comunicação sociail sobre a matéria". Foram também tidas em conta as "alegações da iniciativa pública 'Todos contra o Mono do Rato'".

É ainda esclarecido que é um "processo administrativo" não um "processo criminal". O juiz encarregue do caso já alertou a promotora para o "dever de suspensão imediata dos trabalhos". "Ordenou ainda que fosse notificada às enjtidades responsáveis a interdição de fornecimento de energia elétrica, gás e água à referida obra".

Medina disse que o projeto não era adequado

No final de fevereiro, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, disse que até "gostava do projeto em si", mas esclareceu que não gostava do projeto "naquele sítio", falando também em "disfunção" e "rutura" tendo em conta a localização, e acrescentando que não era adequado.

O projeto é dos arquitetos Manuel Aires Mateus e Frederico Valsassina e prevê um edifício de habitação perto da sinagoga que existe no local. A empreitada avançou finalmente este anos, depois de treze anos, visto que o licenciamento foi aprovado em reunião da Câmara Municipal de Lisboa em 2005, quando a autarquia era liderada pelo agora primeiro-ministro António Costa.

As obras do projeto que causou muita contestação e polémica estavam previstas durarem 24 meses.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?