Milhares desfilam em Lisboa para lembrar "revolução dos cravos"

Ao som de músicas de intervenção como "Grândola Vila Morena", os participantes gritam palavras de ordem como "Fascismo nunca mais, 25 de abril sempre" e "Abril está na rua, a luta continua"

Milhares de pessoas participam esta quarta-feira à tarde em Lisboa no tradicional desfile popular do 25 de Abril, para assinalar os 44 anos da "revolução dos cravos".

A liderar o desfile, que saiu do Marquês de Pombal por volta das 15:45 rumo ao Rossio, está a chaimite da Associação 25 de abril que todos os anos marca o ritmo da marcha.

De cravo ao peito ou na mão são várias as gerações que participam no desfile que, este ano, junta pela primeira vez polícias e militares em protesto pelo congelamento das carreiras.

Ao som de músicas de intervenção como "Grândola Vila Morena", os participantes gritam palavras de ordem como "Fascismo nunca mais, 25 de abril sempre" e "Abril está na rua, a luta continua", entre bandeiras de sindicatos e partidos como o Bloco de Esquerda, o PCP ou o Livre, ou cartazes feitos por cidadãos que participam na iniciativa.

Além do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa e da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, está também presente no desfile popular, o ex-ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis

Organizado pela Associação 25 de Abril, este ano a iniciativa tem o lema "Abril de novo, com a força do Povo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.