Mil animais abandonados por ano em Coimbra

Meios para responder à situação são insuficientes, lamentou o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários

Um milhar de animais são abandonados/recolhidos por ano no concelho de Coimbra e os meios para responder à situação são, como "em todo o país", insuficientes, afirmou hoje o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários.

Embora não disponha de dados que permitam comparar aquela quantidade com a média nacional ou de outros municípios, o bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários (OMV), Jorge Cid, disse hoje à agência Lusa que se trata de um número de abandonos "muito elevado".

Muitos municípios não possuem sequer centro de recolha oficial (CRO) de animais, destaca Jorge Cid, exemplificando que na região Centro apenas existem 35 destas estruturas (sucessoras dos antigos canis/gatis), correspondentes a cerca de metade dos concelhos que integram a zona Centro.

Muitos municípios não dispõem de recursos financeiros para avançarem com a construção dos respetivos centros de recolha, nem de meios técnicos e humanos

Além disso, adverte, "todos os CRO de animais existentes no país estão sobrelotados", incluindo, naturalmente, o de Coimbra.

Muitos municípios não dispõem de recursos financeiros para avançaram com a construção dos respetivos centros de recolha, nem, por outro lado, de meios técnicos e humanos para, depois, os colocarem em funcionamento, reconhece Jorge Cid, sublinhando que, no entanto, as câmaras estão cada vez mais sensibilizadas e empenhadas em resolver a situação.

A OMV lançou, entretanto, o Programa de Apoio de Saúde Preventiva a Animais em Risco, normalmente denominado 'cheque veterinário', para criar "uma rede de cuidados primários médico-veterinários para animais em risco, nomeadamente no que se refere à vacinação, desparasitação, identificação eletrónica e esterilização".

Com o Programa de Apoio de Saúde Preventiva a Animais de Risco, a Ordem dos Médicos Veterinários espera combater o "flagelo dos animais abandonados"

O projeto, que abrange animais abandonados e recolhidos pelas autarquias e animais de famílias carenciadas, e que deverá começar a ser executado dentro de um mês, envolve "várias dezenas" de veterinários, cujo trabalho é gratuito, sendo os custos dos materiais suportados pelas autarquias, acrescenta.

Assegurando "as melhores práticas clínicas", a Ordem espera, com o projeto, contribuir de forma decisiva para combater o "flagelo dos animais abandonados", no prazo de "alguns anos, talvez cinco, seis ou sete anos".

O principal objetivo do programa é precisamente "dotar os municípios com os instrumentos necessários" para responder a este problema e, portanto, para também dar cumprimento à lei 27/2016, que define "as medidas para a criação de uma rede de CRO de animais" e estabelece, designadamente, a proibição do "abate de animais errantes como forma de controlo da população".

O programa também "permite que as famílias com baixos rendimentos, identificadas pelas autarquias, tenham acesso a serviços médico-veterinários certificados e de grande qualidade técnica e científica"

O 'cheque veterinário' assume-se, assim, como "a forma mais eficaz, neste momento, para dar uma resposta nacional às necessidades dos municípios que têm de assegurar o bem-estar dos animais abandonados e recolhidos pelos CRO", sustenta o bastonário.

Além disso, o programa também "permite que as famílias com baixos rendimentos, identificadas pelas autarquias, tenham acesso a serviços médico-veterinários certificados e de grande qualidade técnica e científica".

A OMV continua a promover reuniões, abertas a todos o interessados, designadamente responsáveis e técnicos dos municípios, a próxima das quais está agendada para sábado, às 10:30, em Coimbra, nas instalações do Conselho Regional do Centro da Ordem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.