Marroquino acusado de recrutar jovens para o Daesh em Portugal

Homem está detido do Estabelecimento Prisional de Monsanto

O Ministério Público deduziu acusação contra um marroquino, que se encontra detido no Estabelecimento Prisional de Monsanto, por vários crimes, nomeadamente adesão a organização terrorista internacional e recrutamento de jovens, em Portugal, para integrarem o Daesh (Estado Islâmico), informa a Procuradoria-Geral da República.

O homem, segundo o comunicado, aderiu à "organização terrorista internacional DAESH, e procedeu em Portugal, preferencialmente junto do Centro
Português de Refugiados, à radicalização Jihadista e ao recrutamento de jovens marroquinos para integrarem essa organização terrorista". Terá recrutado um cidadão entretanto detido em França pela tentativa de ataque terrorista naquele país, acrescenta a nota da PGR.

O cidadão marroquino foi acusado de um crime de adesão a organização terrorista internacional, a outro de falsificação com vista ao terrorismo, a quatro de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo, a um de recrutamento para terrorismo e finalmente a um de financiamento do terrorismo.

Abdessalam T., 63 anos, foi detido pela Polícia Judiciária em março do ano passado na Alemanha, onde estava preso desde o verão de 2016, por crimes não relacionados com o terrorismo, e ia ser libertado. Seria o cabecilha de uma célula, com base em Aveiro.

"Também segundo a acusação, o arguido terá, ainda, através da utilização de cartões de crédito falsos, obtido fundos com o objetivo de financiar atividades relacionadas com o terrorismo e que seriam levadas a cabo por jovens por si radicalizados", diz o comunicado.

Segundo a PGR, a investigação apurou que "correm termos contra o arguido processos de idêntica natureza na Alemanha e na França". "Relativamente aos factos investigados neste último país, as autoridades francesas emitiram mandado de detenção europeu (MDE), tendente à oportuna entrega do arguido".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.