Marroquino acusado de recrutar jovens para o Daesh em Portugal

Homem está detido do Estabelecimento Prisional de Monsanto

O Ministério Público deduziu acusação contra um marroquino, que se encontra detido no Estabelecimento Prisional de Monsanto, por vários crimes, nomeadamente adesão a organização terrorista internacional e recrutamento de jovens, em Portugal, para integrarem o Daesh (Estado Islâmico), informa a Procuradoria-Geral da República.

O homem, segundo o comunicado, aderiu à "organização terrorista internacional DAESH, e procedeu em Portugal, preferencialmente junto do Centro
Português de Refugiados, à radicalização Jihadista e ao recrutamento de jovens marroquinos para integrarem essa organização terrorista". Terá recrutado um cidadão entretanto detido em França pela tentativa de ataque terrorista naquele país, acrescenta a nota da PGR.

O cidadão marroquino foi acusado de um crime de adesão a organização terrorista internacional, a outro de falsificação com vista ao terrorismo, a quatro de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo, a um de recrutamento para terrorismo e finalmente a um de financiamento do terrorismo.

Abdessalam T., 63 anos, foi detido pela Polícia Judiciária em março do ano passado na Alemanha, onde estava preso desde o verão de 2016, por crimes não relacionados com o terrorismo, e ia ser libertado. Seria o cabecilha de uma célula, com base em Aveiro.

"Também segundo a acusação, o arguido terá, ainda, através da utilização de cartões de crédito falsos, obtido fundos com o objetivo de financiar atividades relacionadas com o terrorismo e que seriam levadas a cabo por jovens por si radicalizados", diz o comunicado.

Segundo a PGR, a investigação apurou que "correm termos contra o arguido processos de idêntica natureza na Alemanha e na França". "Relativamente aos factos investigados neste último país, as autoridades francesas emitiram mandado de detenção europeu (MDE), tendente à oportuna entrega do arguido".

Ler mais

Exclusivos