Polícia Judiciária deteve jihadista na Alemanha

Abdessalam T., marroquino, é suspeito de recrutar jovens da mesma nacionalidade para o daesh, em Portugal

A Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ) deteve na Alemanha um suspeito jihadista marroquino, indiciado pela prática em Portugal dos crimes de adesão e apoio a organização terrorista, recrutamento para o daesh e financiamento. . A UNCT acredita que Abdessalam T., 63 anos, era o cabecilha de uma rede, da qual fazia parte outro marroquino, Hicham el Hanafi, detido em novembro passado pelas autoridades francesas, sob suspeita de estar a preparar um atentado naquele território.

Abdessalam estava preso na Alemanha desde o verão do ano passado, por crimes não relacionados com o terrorismo, e ia ser libertado nos próximos dias. Com o inquérito aberto e a investigação a decorrer em Portugal, dirigida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), foi entregue às autoridades alemãs um pedido de extradição do marroquino, evitando assim que ficasse em liberdade com evidentes riscos de segurança e obrigando a que possa ser julgado no nosso país pelos crimes de terrorismo.

De acordo com o comunicado da Procuradora-Geral da República, as autoridades judiciárias alemãs entregaram o suspeito esta tarde às autoridades portuguesas. Este já se encontra em Portugal e vai ser hoje submetido ao primeiro interrogatório judicial.

Abdessalam e Hanafi têm autorização de residência em Portugal e estatuto de asilado político desde 2014. A investigação da PJ partiu dos indícios apresentados pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF),em 2015, quando foram observadas algumas tentativas de recrutamento por parte de Abdessalam, sendo concluído que seria um "radicalizador".Sempre debaixo de olho da PJ e depois também das secretas, foi com base na informação entretanto recolhida, que a polícia francesa sustentou a detenção, que ainda se mantém, de Hanafi.

Segundo contou o Expresso na altura, Abdessalam e Hanafi vieram para Portugal no mesmo avião, em outubro de 2013, com identificação falsa. Não foi provado até agora que se conhecessem antes. Abdessalam era polícia e alegou, no seu pedido de asilo, perseguição política por ser opositor ao regime e defensor de uma orientação islamita mais radical. Hanafi alegou igualmente perseguição política por motivos ideológicos e ser membro do Movimento 20 de fevereiro.

Foram colocados num centro de refugiados em Aveiro, onde Abdessalam terá começado o seu trabalho de recrutador para o jihadismo entre jovens magrebinos do centro. Hanafi foi uma das suas "vítimas". De acordo ainda com o Expresso Aveiro tornou-se um polo da célula terrorista, com algumas vindas também a Lisboa, à zona do Martim Moniz, onde terão sido aliciados vários jovens de nacionalidade marroquina.
Os dois magrebinos começaram a ser monitorizados, já depois da concessão tácita do asilo, com várias viagens referenciadas a países europeus, como a Alemanha, França e Bélgica, onde intensificaram a sua radicalização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.