Centeno pediu bilhetes ao Benfica para jogo com FC Porto por razões de "segurança"

Partida realizou-se em abril de 2017. Gabinete do ministro justifica com a "notoriedade do ministro" e a necessidade de manter a "segurança pessoal"

Mário Centeno, ministro das Finanças, pediu dois convites ao Benfica, um para si e outro para o filho, para ver o Benfica-FC Porto, de 1 de abril de 2017, na bancada presidencial, noticia esta sexta-feira o Observador.

O pedido dos bilhetes terá sido feito ao clube encarnado em meados de março, já depois da aprovação do código de conduta do Governo, na sequência do Galpgate - caso em que políticos foram ao Euro 2016 ver jogos de Portugal, com viagens pagas pela Galp.

Ao mesmo jornal, o gabinete de Mário Centeno confirmou o pedido e diz que "a notoriedade pública do ministro das Finanças coloca exigências à sua participação em eventos públicos como jogos de futebol no que concerne a garantir a sua segurança pessoal".

Relativamente a uma possível colisão do pedido de bilhetes com o código de conduta, fonte do Ministério das Finanças disse ao Observador que os bilhetes em causa, para a tribuna presidencial do Estádio da Luz, "não são comercializáveis, pelo que não têm um preço de venda definido".

Também o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo, pediu ao Benfica três bilhetes para o mesmo jogo com os dragões, mas para qualquer bancada. O gabinete de Centeno também confirma este facto, garantindo, no entanto, que os bilhetes foram todos pagos por quem os utilizou.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".