Marcelo Rebelo de Sousa chegou a Dacar para visita de Estado inédita

Foi recebido pelo Presidente da República e pelo primeiro-ministro do Senegal

Marcelo Rebelo de Sousa chegou esta quarta-feira a Dacar para uma visita de Estado de dois dias ao Senegal, a primeira de um Presidente português desde o 25 de Abril, concentrada em Dacar.

O Presidente da República viajou de Cabo Verde para a capital senegalesa num avião da Força Aérea Portuguesa, que aterrou às 13:15 (14:15 em Lisboa) no Aeroporto Internacional Léopold Sédar Senghor.

À chegada, foi recebido na pista do aeroporto pelo Presidente da República do Senegal, Macky Sall, e pelo primeiro-ministro senegalês, Mahammed Dionne, numa cerimónia com honras militares e em que se ouviram os hinos nacionais dos dois países.

Acompanham Marcelo Rebelo de Sousa nesta visita o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, e os deputados Marco António Costa, do PSD, Filipe Anacoreta Correia, do CDS-PP, e João Ramos, do PCP.

Neste primeiro dia de visita de Estado, o Presidente da República vai receber da principal universidade de Dacar um doutoramento honoris causa.

Esta cerimónia de valor simbólico, na Universidade Cheikh Anta Diop (UCAD), é o primeiro ponto do programa de Marcelo Rebelo de Sousa, que fará, nessa ocasião, uma intervenção sobre "Portugal e África".

Ao final do dia, o chefe de Estado português será recebido por Macky Sall, no palácio presidencial, estando prevista uma conferência de imprensa conjunta, seguida de um jantar oficial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.