"Está tudo bem". Marcelo já teve alta. E mantém agenda das visitas oficiais

Presidente falou aos jornalistas à saída do hospital e já está de regresso a Lisboa para descansar, conforme aconselharam os médicos

Presidente da República afirma que o mal estar que o afetou se deveu a uma quebra de tensão e desidratação, agravadas por uma "gastroenterite aguda, vulgarmente chamada intoxicação alimentar".

À saída do hospital de Braga, onde passou cerca de quatro horas, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou aos jornalistas que, na véspera da visita ao Bom Jesus de Braga este sábado, já tinha sentido uma "ligeira indisposição", que se agravou com o calor que se sentia. "Senti que ia desmaiar a qualquer momento."

Os médicos atribuíram o mal estar do Presidente a uma quebra de tensão e a desidratação e recomendaram-lhe descanso.

"Os exames efetuados no Hospital de Braga confirmaram que o Presidente da República sofreu uma gastroenterite aguda. Os médicos recomendaram hidratação e repouso, pelo que o Chefe de Estado, recuperado, está de regresso a Lisboa, tendo sido anulado o programa previsto para o dia de hoje e de amanhã", lê-se na segunda nota emitida pelo Palácio de Belém depois de Marcelo se ter sentido mal.

Na mesma nota presidencial, Marcelo faz questão de agradecer "a rapidez, eficiência e competência com que foi assistido pelo INEM e por todo o pessoal do Hospital de Braga".

Presidente garantiu, á saída do hospital, que iria "abrandar", mas afirmou que irá manter a agenda de visitas ao exterior dos próximos dias: viagem aos EUA no âmbito da NATO, marcada para 25 e 28 de junho. Está também prevista uma nova viagem a Moscovo para assistir à Seleção, caso esta passe aos oitavos de final do Campeonato do Mundo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.