Marcelo escolhe Onésimo Teotónio Almeida para presidir às comemorações

Professor Catedrático da Universidade de Brown é visto como um embaixador oficioso de Portugal

O Presidente da República anunciou hoje a designação de Onésimo Teotónio Almeida para presidir às comemorações do Dia de Portugal, que se vão desenrolar em Ponta Delgada, nos Açores, e em Boston, nos Estados Unidos da América.

"O Presidente da República decidiu nomear o Prof. Doutor Onésimo Teotónio de Almeida para presidir às comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas deste ano", lê-se numa nota colocada hoje no site da Presidência da República.

"Estas comemorações desenrolar-se-ão em Ponta Delgada, nos Açores, e em Boston, nos Estados Unidos da América", acrescenta a mesma nota.

Onésimo de Almeida é natural da ilha de São Miguel e é Professor Catedrático da Universidade de Brown, em Providence, Rhode Island, EUA, conclui o texto.

Num trabalho publicado esta sexta-feira, o DN contava que Onésimo Teotónio Almeida é visto como um embaixador oficioso de Portugal e que não há quem tenha escrito mais abundantemente sobre a relação entre os Estados Unidos e a comunidade luso-americana. LEIA AQUI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.