Marcelo escolhe Onésimo Teotónio Almeida para presidir às comemorações

Professor Catedrático da Universidade de Brown é visto como um embaixador oficioso de Portugal

O Presidente da República anunciou hoje a designação de Onésimo Teotónio Almeida para presidir às comemorações do Dia de Portugal, que se vão desenrolar em Ponta Delgada, nos Açores, e em Boston, nos Estados Unidos da América.

"O Presidente da República decidiu nomear o Prof. Doutor Onésimo Teotónio de Almeida para presidir às comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas deste ano", lê-se numa nota colocada hoje no site da Presidência da República.

"Estas comemorações desenrolar-se-ão em Ponta Delgada, nos Açores, e em Boston, nos Estados Unidos da América", acrescenta a mesma nota.

Onésimo de Almeida é natural da ilha de São Miguel e é Professor Catedrático da Universidade de Brown, em Providence, Rhode Island, EUA, conclui o texto.

Num trabalho publicado esta sexta-feira, o DN contava que Onésimo Teotónio Almeida é visto como um embaixador oficioso de Portugal e que não há quem tenha escrito mais abundantemente sobre a relação entre os Estados Unidos e a comunidade luso-americana. LEIA AQUI.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.