Marcelo atribui Ordem da Liberdade à Comunidade Islâmica de Lisboa

"Os valores humanistas são por natureza os valores do Islão", referiu

O Presidente da República agraciou esta sexta-feira com a Ordem da Liberdade a Comunidade Islâmica de Lisboa (CIU), que comemora 50 anos de existência. Numa cerimónia na mesquita da capital, o Presidente disse que tomou esta decisao por aquilo que a comunidade representa na defesa da "liberdade religiosa e da liberdade em geral".

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "os valores humanistas são por natureza os valores do Islão", mas também deixou recados para o futuro da CIL: "Saibam as futuras lideranças respeitar o legado dos seus fundadores".

Numa cerimónia em que participaram também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, todos os antigos Presidentes da República (Ramalho Eanes, Jorge Sampaio e Cavaco Silva), bem como o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, Marcelo saudou o papel da Mesquita de Lisboa na "integração de cidadãos de várias origens". "O Islão que aqui se vive é um Islão da diáspora", afirmou Marcelo depois de recordar que a CIL teve origem em muçulmanos oriundos de Moçambique.

À cerimónia também se associou o Cardeal-Patriarca de Lisboa e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).