Marcelo atribui Ordem da Liberdade à Comunidade Islâmica de Lisboa

"Os valores humanistas são por natureza os valores do Islão", referiu

O Presidente da República agraciou esta sexta-feira com a Ordem da Liberdade a Comunidade Islâmica de Lisboa (CIU), que comemora 50 anos de existência. Numa cerimónia na mesquita da capital, o Presidente disse que tomou esta decisao por aquilo que a comunidade representa na defesa da "liberdade religiosa e da liberdade em geral".

Marcelo Rebelo de Sousa considerou que "os valores humanistas são por natureza os valores do Islão", mas também deixou recados para o futuro da CIL: "Saibam as futuras lideranças respeitar o legado dos seus fundadores".

Numa cerimónia em que participaram também o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, todos os antigos Presidentes da República (Ramalho Eanes, Jorge Sampaio e Cavaco Silva), bem como o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, Marcelo saudou o papel da Mesquita de Lisboa na "integração de cidadãos de várias origens". "O Islão que aqui se vive é um Islão da diáspora", afirmou Marcelo depois de recordar que a CIL teve origem em muçulmanos oriundos de Moçambique.

À cerimónia também se associou o Cardeal-Patriarca de Lisboa e presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, D. Manuel Clemente.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.