Professores ameaçam com mais greves e manifestações em 2018

Comunicado da Fenprof diz que "com a negociação e a luta no centro do debate, os professores aprovaram [...] uma moção que apela para a luta"

Os professores que se reuniram esta quarta-feira em 21 plenários descentralizados convocados pela Fenprof aprovaram moções que admitem o regresso às manifestações e às greves, mas remetem decisões para o final das rondas negociais com a tutela, em janeiro.

"Com a negociação e a luta no centro do debate, os professores aprovaram - em quase todos os casos, por unanimidade, o que é muito significativo -- uma moção que apela para a luta. Desde logo, para a presença na Tribuna Pública que se realizará amanhã [quinta-feira], mas também para a marcação de novo plenário para o final do ciclo negocial em curso, com o objetivo de avaliar o resultado das negociações e a eventual aprovação de um calendário de ação e luta que se estenderá, pelo menos, até final do ano letivo e que poderá incluir Manifestação Nacional e, de novo, o recurso à greve", lê-se num comunicado da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), hoje divulgado.

A decisão foi tomada por cerca de 500 professores e educadores que marcaram presença nos 21 plenários que a Fenprof convocou para a tarde de hoje em vários pontos do país, para garantir uma maior participação, no dia em que o Ministério da Educação, refere a federação sindical, anunciou nova ronda negocial, a realizar em 19 ou 20 de dezembro e dedicada a discutir o acesso aos 5.º e 7.º escalões da carreira docente.

Os professores admitem, no entanto, que a manifestação pode ocorrer já em janeiro "caso o Governo recue e se recuse recuperar todo o tempo de serviço perdido pelos docentes, para efeito de carreira, ou apresente outras propostas que neguem o compromisso que assumiu recentemente".

A Fenprof avisa ainda o Governo que a greve ao trabalho com alunos que esteja integrado na componente não letiva pode voltar a ser convocada, se da reunião de 26 de janeiro com a tutela não saírem compromissos para a recomposição do horário de trabalho dos docentes.

A moção, que foi aprovada com apenas dois votos contra e três abstenções, aborda várias temáticas que os professores querem negociar com o Governo, como a recomposição da carreira -- descongelamento, reposicionamento e recuperação do tempo de serviço - a revisão dos concursos de professores, um regime especial de aposentação, a municipalização, a gestão das escolas e a inclusão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.