Marcelo consternado com "bárbaro" ataque em Manchester

Marcelo Rebelo de Sousa manifestou a sua solidariedade "em nome do povo português" à rainha de Inglaterra

O Presidente da República portuguesa disse hoje estar a "acompanhar com grande consternação o bárbaro atentado" de segunda-feira em Manchester, que causou pelo menos 22 mortos e 59 feridos.

Numa mensagem enviada à rainha de Inglaterra, Marcelo Rebelo de Sousa manifestou a sua solidariedade "em nome do povo português, em particular para com as famílias das vítimas".

Na mensagem, o Presidente português, que se encontra numa visita ao Luxemburgo, sublinhou a importância de uma "Europa unida no combate ao terrorismo e à defesa constante e permanente dos valores da democracia, da promoção da paz e do respeito pelos direitos humanos".

Pelo menos 22 pessoas morreram e 59 ficaram feridas numa explosão na Arena de Manchester, no norte da Inglaterra, na segunda-feira, no final de um concerto da cantora Ariana Grande, segundo o balanço mais recente da polícia.

O comandante da polícia de Manchester, Ion Hopkins, disse que as autoridades suspeitam que o responsável foi um homem apenas, que morreu na explosão e que "transportava um engenho explosivo improvisado, que detonou, causando esta atrocidade".

As autoridades britânicas estão a tratar este caso como um "incidente de terrorismo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.