Lisboa vai ter 120 câmaras em semáforos e mais radares

Câmara também quer começar a penalizar o estacionamento em segunda fila

A Câmara de Lisboa vai colocar 120 câmaras de vigilância nos semáforos espalhados pela cidade e reforçar o número de radares para controlar o trânsito. O objetivo é reduzir a velocidade de circulação nas estradas da capital, já que no ano passado foram passadas 156 244 multas por excesso de velocidade - uma média de 428 por dia. Mas há mais. A autarquia tem uma terceira prioridade para tentar melhorar a mobilidade rodoviária: começar a penalizar o estacionamento em segunda fila. E até vai lançar uma campanha de sensibilização. O vereador com o pelouro da mobilidade, Miguel Gaspar, disse ao DN que a intenção não é multar os condutores, mas apelar ao seu bom senso e cuidado.

Por isso, o número de radares na cidade vai aumentar, reforçando assim a rede de 21 que já existe. Mas Miguel Gaspar garantiu que antes de se chegar à zona onde estarão os equipamentos haverá alertas para o limite de velocidade. E em alguns não é certo que o controlo de velocidade esteja a funcionar. "Queremos que tenham um efeito dissuasor para que exista segurança rodoviária. Por isso vão surgir alertas de "por favor abrande" e só a seguir é que surgem os radares das contraordenações", explicou o responsável pela área da mobilidade lisboeta. "Como não conseguimos mudar a cidade, temos de apelar ao bom senso das pessoas e ao seu cuidado. Nos pontos mais críticos temos os instrumentos de fiscalização de velocidade que, de facto, desincentivam. E num mundo perfeito não multaríamos ninguém, pois toda a gente cumpriria o limite de velocidade", sublinhou.

Não querendo adiantar nem quantos radares vão reforçar a atual rede nem quando vão começar a ser utilizados, o autarca salientou que os maiores problemas ocorrem em eixos como a Segunda Circular - a via com mais acidentes, mortos e feridos graves da capital entre 2010 e 2016, como ontem noticiou o DN. "São zonas de grande velocidade [o Eixo Norte-Sul e a Avenida Infante Dom Henrique completam o top 3 das vias com mais sinistros]. Ou seja, os condutores têm mais cuidados a andar na zona central da cidade, mas depois nas áreas de maior velocidade já não. É aí que se tem de intervir", argumentou.

Cinco milhões para semáforos

A câmara tem previsto um investimento de cinco milhões de euros em semáforos e sistemas de vigilância, equipamentos que também vão ser essenciais para o controlo de velocidade na cidade.

"Estamos a modernizar a nossa rede de controlo de semáforos, o que nos vai permitir gerir o tempo que as pessoas passam paradas no trânsito e ter a capacidade de abrir um semáforo, como já se faz no corredor central [Entrecampos-Marquês de Pombal] - aliás, como se faz nas zonas mais centrais, Campo Grande, Marquês de Pombal, Baixa, Praça de Espanha - e vamos expandir para a zona da Expo e Estrada de Benfica. Temos o sistema Gertrudes em que os semáforos funcionam de forma articulada. O que estamos a fazer é a modernizar e a melhorar o sistema", garante Miguel Gaspar.

Combater as segundas filas

Mais avançada em termos de concretização está a aposta em reduzir o estacionamento em segunda fila - responsável pela interrupção do serviço de autocarros ou elétricos. Por exemplo, em 2017, houve 1337 situações em que os condutores deixaram os veículos mal estacionados e isso levou a que se perdessem 937 horas de serviço e a uma velocidade média dos autocarros de 13,9 km/hora. "Em breve vamos começar uma campanha de comunicação para sensibilizar as pessoas que têm de perceber que onde passa o autocarro da carris e no centro da cidade não vamos ser tolerantes. Portanto, estamos a fazer um exercício de reforço de fiscalização e ao mesmo tempo a falar com os comerciantes e hotelaria para estes dizerem o que precisam para a sua atividade. Mas, parar em segunda fila depois das sete da manhã é que não. Porque condiciona toda a gente", explicou Miguel Gaspar.

Um objetivo que tem o apoio da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal. O seu diretor-geral, José Manuel Esteves, disse ao DN que o tema está a ser discutido e que existem algumas preocupações com a circulação dos turistas e com as cargas e descargas junto aos estabelecimentos. "As descargas são o mais preocupante. Se as cafetarias, por exemplo, começam a trabalhar mais cedo, os restaurantes só abrem mais tarde e aí o abastecimento não pode ser até às 07.00 porque ainda não abriram", frisou. E defende que "é preciso trazer para esta discussão os fornecedores" e ter em atenção as várias zonas da cidade, como as históricas.

Para este responsável a discussão de um regulamento é um bom caminho, lembrando que, por vezes, "existem zonas específicas para descargas e depois estão lá carros particulares. Por isso, uma das soluções poderia ser a disponibilização de lugares para descargas". José Manuel Esteves referiu ainda que uma das soluções poderia ser a "colocação de pilaretes de acesso às áreas de descargas controlados eletronicamente, até pelos comerciantes. Assim, os outros já não entravam".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.