Lisboa vai ser a Capital Verde Europeia em 2020

Lisboa vai ser a "Capital Verde Europeia" em 2020. O anúncio foi feito ao início desta noite em Nijmegen (Holanda) pelo comissário europeu para o Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella.

A capital portuguesa impôs-se a Ghent (Bélgica) e Lahti (Finlândia), as outras cidades que tinham sido escolhidas para a decisão final nesta iniciativa dedicada a cidades com mais de 100 mil habitantes. Vitória a que não terá sido alheio o mediatismo que a cidade tem recolhido ao longo dos últimos anos e que garante visibilidade a todas as iniciativas relacionadas com o ambiente que vier a colocar em prática em 2020. A cerimónia de entrega do prémio "Capital Verde Europeia" em 2020 - que inclui além da distinção um valor monetário de 350 mil euros - foi presidida pelo comissário europeu Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Karmenu Vella.

Agora a autarquia tem de elaborar um plano de atividades (e o orçamento), relacionadas com o ambiente para implementar em 2020, projetos que terão de apresentar e discutir com as instâncias europeias. Esta escolha premeia o trabalho que a autarquia tem vindo a fazer em várias áreas relacionadas, por exemplo, com o ambiente, mobilidade, biodiversidade e reciclagem.

Temas explicados ao júri do concurso pelo presidente da autarquia, Fernando Medina, na quarta-feira à tarde, quando durante cerca de uma hora expôs os projetos da autarquia para melhorar a sustentabilidade da capital.

Nesse período, Fernando Medina, falou sobre as iniciativas relacionadas com a mobilidade: a aposta nas motos e veículos elétricos partilhados; a utilização de bicicletas (Lisboa tem 90 km de ciclovias e 60 em projeto ou construção e as "Giras" já têm 10 mil passes associados) e a renovação da frota da Carris (numa ótica de melhoria do serviço público, até com envolvência metropolitana).

Defendeu a política de espaço verdes que está a ser seguida e as suas qualidades para a vida de que vive ou trabalha na cidade: os 400 hectares de espaços verdes que vão existir até 2021 (mais 200 até esse ano do que os existentes atualmente); mais zonas com árvores que vão permitir uma maior mobilidade individual; garantiu que 76% da população lisboeta vive a 300 metros de uma zona verde e frisou que são áreas onde o ruído é menor.

Salientou que outra das apostas da cidade passa por aumentar a eficiência energética dos edifícios, dando o exemplo dos projetos para o programa Renda Acessível em que esta questão faz parte dos cadernos de encargos das intervenções imobiliárias.

Outros pontos que defendeu perante o júri, e que parecem ter sido certeiros pois a decisão acabou por "cair" para Lisboa, foram o futuro da Praça de Espanha - que terá um novo parque verde com uma bacia de retenção de água para controlo de cheias - e do vale de Alcântara, que, por sua vez, terá melhores acessibilidades e rega utilizando água reciclada na Estação de Tratamento de Águas Residuais.

Também a despoluição do Rio Tejo, após um investimento de 210 milhões de euros, mostrou o trabalho feito ao longo de 10 anos no tratamento de águas residuais ao longo da bacia do rio (com empréstimos do Banco Europeu de Investimento e fundos estruturais).

Por fim a poupança de água, desde a rede de distribuição da EPAL que reduziu as perdas de 23,55 em 2005 para menos de 8% atualmente, à aposta da autarquia na deteção de fugas e sua resolução rápida em lagos, fontes e sistemas de rega, permitindo poupança de cerca de 17% entre 2014 e 2016.

Quem já ganhou

O galardão que Lisboa conquistou existe desde 2008 e já foi conquistado por Estocolmo (Suécia), Hamburgo (Alemanha), Vitoria-Gasteiz (Espanha), Nantes (França), Copenhaga (Dinamarca), Bristol (Reino Unido), Liubliana (Eslovénia), Essen (Alemanha), Nijmegen (Holanda) e Oslo (Noruega, que será a "Cidade Verde Europeia" em 2019).

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.