Lisboa e Costa Vicentina primeiras vítimas do lixo do Mediterrâneo

A World Wide Fund (WWF), organização ambientalista internacional, diz que 95% dos resíduos encontrados no Mediterrâneo são plásticos vão chegar em primeiro lugar à costa portuguesa.

O Mediterrâneo pode transformar-se num mar de plástico que irá desaguar nas praias portuguesas. Este é o alerta que WWF faz no seu relatório, citado pela TSF. A organização ambientalista afirma que o impacto desta poluição tem repercussões em todo o mundo, mas Portugal será o primeiro país a sofrer as consequências porque está na rota de saída do mar.

A Associação alerta para os perigos dos microplásticos, esferas minúsculas de plástico muitas vezes presentes em produtos de higiene e cosmética como exfoliantes. As piores zonas são Lisboa e a Costa Vicentina devido à proximidade dos estuários do Tejo e Sado.

A maior parte do lixo, segundo o mesmo estudo, vem de países como a Turquia e a Espanha, seguida da Itália, Egito e França. Todos os anos cerca de 300 mil toneladas de plástico chegam ao Mediterrâneo. Mas as Nações Unidas lembram que todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico vão parar aos oceanos e a poluição mata cerca de 100 mil mamíferos e um milhão de aves.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.