Lisboa e Costa Vicentina primeiras vítimas do lixo do Mediterrâneo

A World Wide Fund (WWF), organização ambientalista internacional, diz que 95% dos resíduos encontrados no Mediterrâneo são plásticos vão chegar em primeiro lugar à costa portuguesa.

O Mediterrâneo pode transformar-se num mar de plástico que irá desaguar nas praias portuguesas. Este é o alerta que WWF faz no seu relatório, citado pela TSF. A organização ambientalista afirma que o impacto desta poluição tem repercussões em todo o mundo, mas Portugal será o primeiro país a sofrer as consequências porque está na rota de saída do mar.

A Associação alerta para os perigos dos microplásticos, esferas minúsculas de plástico muitas vezes presentes em produtos de higiene e cosmética como exfoliantes. As piores zonas são Lisboa e a Costa Vicentina devido à proximidade dos estuários do Tejo e Sado.

A maior parte do lixo, segundo o mesmo estudo, vem de países como a Turquia e a Espanha, seguida da Itália, Egito e França. Todos os anos cerca de 300 mil toneladas de plástico chegam ao Mediterrâneo. Mas as Nações Unidas lembram que todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico vão parar aos oceanos e a poluição mata cerca de 100 mil mamíferos e um milhão de aves.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.