Lisboa: BE não quer a PPP da habitação para coabitar com Medina

Fernando Medina já teve encontros informais com BE e PCP para iniciar negociações para garantir maioria no município. Bloquistas apresentaram propostas para "viragem política"

Com a tomada de posse prevista para 24 de outubro, o socialista Fernando Medina ainda tem tempo para procurar os entendimentos à esquerda que lhe faltam para governar Lisboa em maioria. E do lado do Bloco de Esquerda, o presidente eleito já conhece o ponto fulcral do caderno de encargos para um eventual acordo: substituir a "parceria público-privada" (PPP) prevista por um "programa de habitação integralmente público". Há outras matérias em cima da mesa, mas aquela é a pedra de toque.

Do lado socialista, o encontro informal de 5 de outubro, pedido por Fernando Medina, serviu mais para ouvir da disponibilidade dos bloquistas, que se fizeram representar por Ricardo Robles, o vereador eleito em Lisboa pelo BE, e por Isabel Pires, dirigente bloquista na capital.

Em comunicado, ontem divulgado, o BE "reafirmou a disponibilidade transmitida na campanha eleitoral para uma viragem política". Para que esta "viragem" vingue, os bloquistas incluem, "entre outras áreas programáticas", "a construção de creches municipais, o resgate da taxa do turismo, a recuperação dos transportes públicos" mas também uma outra política de habitação. É aqui que o BE quer "a concretização de programas de habitação que protejam as famílias contra despejos abusivos e substituam a PPP prevista por um programa de habitação integralmente público".

Segundo os bloquistas, "as conversações continuarão nas próximas semanas", mas Fernando Medina tem vontade em avançar substantivamente na próxima semana.

O recém-eleito presidente da Câmara de Lisboa defende no seu programa que quer "alargar o Programa de Renda Acessível a Operações Urbanísticas de Iniciativa Privada", para "tornar obrigatória a afetação ao programa de renda acessível" (outra proposta de Medina) "de 25% dos fogos novos em operações urbanísticas de iniciativa privada de dimensão superior a 20 fogos". Segundo a proposta socialista, "os imóveis poderão ser adquiridos pelo Município ou manter-se na propriedade privada com reserva de uso pelo município" e "poderão ainda ser construídos em terreno municipal ou por recurso a créditos de construção".

É aqui que os bloquistas torcem o nariz. Ricardo Robles defendeu na campanha aquilo que transmitiu a Fernando Medina na quinta-feira: um "programa de habitação integralmente público", que passa por disponibilizar 7500 casas a preços acessíveis, utilizando também verbas da taxa turística.

O PCP também já se encontrou com o autarca socialista, que perdeu a maioria para governar Lisboa. Publicamente, os comunistas fizeram saber que estão disponíveis para "convergências pontuais", mas sem replicar a "solução nacional", como explicou Jerónimo de Sousa. E não há fumo branco para qualquer lugar de vereador. A próxima semana pode trazer novidades sobre que outra geringonça se pode montar em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.