"Juramento de Hipócrates não permite aos médicos aceitar a eutanásia"

Germano de Sousa, ex-bastonário dos médicos, critica deputados por se preocuparem com eutanásia e não com o investimento e condições para os cuidados paliativos

"O juramento de Hipócrates, que é a essência de qualquer médico, não nos permite aceitar a eutanásia". A frase é de Germano de Sousa, médico, ex-bastonário da classe, e foi proferida esta manhã num debate em Lisboa sobre o fim de vida, organizado pela Plataforma Pensar e Debater, no mesmo dia em que se soube que o atual bastonário e alguns dos anteriores solicitaram ao Presidente da República uma audiência para o alertarem para o assunto, com debate marcado para o Parlamento no dia 29 de maio.

Germano de Sousa, que se tem manifestado contra a legalização da eutanásia, defendeu: "Nós médicos não podemos aceitar a eutanásia"., revelando conhecer muitos profissionais que a defendem, mas que depois confrontados com a situação hipotética, de a praticar, acabam por dizer que não. "Então, depois aprovamos uma lei e é só para os outros a aplicarem?"

O ex-bastonário criticou os deputados pelo facto de avançarem com propostas de lei "tão importantes do ponto de vista civilizacional sem as terem integrado nos programas eleitorais." Os portugueses, ou quem os elegeu, "não sabiam que eles iriam debater e votar uma legislação sobre este tema", disse. "Não é a mesma coisa que aprovar uma lei sobre impostos", argumentou. O ex-bastonário, que falou da sua experiência enquanto médico, questionou mesmo: "Não vejo os senhores deputados tão preocupados com o facto de Portugal não ter uma rede de cuidados paliativos suficiente, com o investimento que falta para esta área e com as condições que o Estado ainda não criou em termos de cuidados paliativos."

O médico alertou para o facto de o debate, mesmo no domínio da bioética, se estar a extremar, ao ponto de haver "bioéticos de esquerda radical, por exemplo, no Canadá, que já defendem que "um médico não tem direito à objeção de consciência, porque tem a obrigação de cumprir com o que o Estado determina."

Durante a sessão, a Plataforma Pensar e Debater revelou os resultados de um estudo que solicitou a uma empresa de mercado, com base em vários estudos que já forma feitos em França pelo Instituto Europeu de Bioética, para saber qual é a opinião dos portugueses sobre o fim de vida. Segundo Sofia Guedes da Plataforma este estudo, bem como o debate de hoje, têm como objetivo poder esclarecer a opinião pública e os deputados sobre o que pensa a sociedade civil acerca deste assunto. "É muito importante que os deputados estejam esclarecidos sobre a vontade do povo português", referiu.

De acordo com o estudo apresentado - realizado a nível nacional, a um universo de 624 pessoas, por telefone e de forma aleatória e com estratificação de género, idade e região - mais de 40% dos inquiridos assume saber o que são os cuidados paliativos e que no final da vida têm sobretudo receio do sofrimento, de ser um peso para a família e da solidão. O mesmo estudo revela que 85% das pessoas ouvidas prefeririam ter acesso a cuidados paliativos em situações de sofrimento, tendo 75% considerado que deveria ser aumentado o investimento neste tipo de cuidados.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.