João Cravinho: Quem esteve nos governos de Sócrates "não tirou consequências"

"Sócrates como primeiro-ministro não se interessou pelo combate à corrupção", afirma o antigo deputado socialista

O antigo deputado socialista, João Cravinho, considera que os membros do Governo de José Sócrates se sentiram "fortemente incomodados" com as notícias que envolviam o antigo primeiro-ministro. "Mas essa questão do incómodo não teve quaisquer consequências políticas", registou em entrevista à TSF.

Atitude diferente teve o antigo ministro socialista que recordou o momento em que foi convidado por Sócrates para "fazer parte da lista da Comissão Nacional no último Congresso dele como Secretário-geral" e recusou. "Não estava de acordo de maneira nenhuma, achei que não devia estar nos órgãos do partido, sentia-me desconfortável com aquilo que eu já sabia do caso", admitiu aos microfones da rádio.

"Sócrates como primeiro-ministro não se interessou pelo combate à corrupção", considerou Cravinho, que recuou aos tempos em que era deputado na Assembleia da República.

Ele [José Sócrates] não quis que se aperfeiçoasse o sistema e, por isso, ainda hoje o sistema de combate à corrupção anda sem rei nem roque

No parlamento, o socialista apresentou um pacote legislativo para prevenir e combater a corrupção, mas, lembrou, Sócrates foi uma das principais forças de bloqueio às medidas apresentadas "porque era ele que dava orientações à direção da bancada parlamentar do PS".

"Ele não quis que se aperfeiçoasse o sistema e, por isso, ainda hoje o sistema de combate à corrupção anda sem rei nem roque", considerou.

No meu íntimo, não tenho dúvidas nenhumas que os comportamentos de Sócrates como secretário-geral do PS, primeiro-ministro, como pessoa não são admissíveis

O antigo deputado socialista considera que é possível fazer-se uma avaliação política, ética e moral do comportamento do antigo primeiro-ministro tendo em conta a informação que o país já sabe.

"No meu íntimo, não tenho dúvidas nenhumas que os comportamentos de Sócrates como secretário-geral do PS, primeiro-ministro, como pessoa não são adequados, não são admissíveis", afirmou. "Não recomendo que esse tipo de comportamento faça parte do padrão de um futuro primeiro-ministro", acrescentou João Cravinho.

A poucos dias do congresso do PS, o ex-ministro do Governo de António Guterres defende que a reunião magna do partido não serve para discutir com profundidade a questão da corrupção. "Pode-se dizer em matéria de políticas futuras que nós não deixaremos de apurar as responsabilidades politicas, não deixaremos de fazer um juízo político, moral e ético sobre este tipo de comportamentos e de quem está envolvido", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.