Jerónimo de Sousa "surpreendido" por UGT querer avançar com greves

Carlos Silva disse que há setores preparados para greves no caso de não haver aumentos na Função Pública

O secretário-geral do PCP mostrou-se hoje no Cadaval "surpreendido" com a disponibilidade da UGT em participar em greves se não houver aumentos salariais da Função Pública, admitindo que são necessários.

"Fico surpreendido com essa disponibilidade revolucionária em participar numa greve", afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder dos comunistas admitiu que "os trabalhadores da administração pública estão há oito ou nove anos sem receber qualquer aumento salarial" e "o descongelamento das carreiras não invalida que não precisem de uma resposta tal como os trabalhadores do setor privado".

À margem da inauguração da sede no Cadaval, questionado se o PCP vai apoiar essas greves, Jerónimo de Sousa disse que o que vai determinar essas lutas "não é a posição do PCP, mas sim a luta dos trabalhadores",

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, disse que há setores preparados para greves no caso de não haver aumentos na Função Pública.

No seu discurso, Jerónimo de Sousa explicou que, depois de afastar o Governo PSD/CDS-PP, "foi possível com o papel do PCP encontrar um rumo diferente à vida política nacional com a reposição de rendimentos e direitos que não estavam previstos no programa do PS" e apelou a um "partido mais forte" para o "futuro que aí vem".

O secretário-geral do PCP admitiu que quer alterar a legislação laboral para "repor direitos que desapareceram do Código do Trabalho", dando como exemplos as questões da contratação coletiva, da caducidade dos contratos, das 35 horas de trabalho semanal, dos dias de férias e do aumento dos salários, "um conjunto de propostas que, a serem aprovadas, levaria a uma reposição e a um rumo positivo no quadro das relações laborais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.