Radicalismo "é uma perversão do pensamento religioso, que não é monopólio do Islão"

António Guterres alertou ainda para a existência de manifestações racistas, xenófobas e de ódio em Portugal

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou esta sexta-feira que o investimento de Portugal na diversidade tem de continuar com "grande persistência", lembrando que subsistem no país manifestações xenófobas e racistas.

O ex-primeiro-ministro português falava em Lisboa nos "Encontros de reflexão comemorativos dos 50 anos da fundação da Comunidade Islâmica de Lisboa", que decorrem na Mesquita Central de Lisboa.

Num discurso improvisado em português, António Guterres disse que "em muitas sociedades europeias não houve este investimento", nomeadamente por parte de governos.

"A diversidade é uma fonte de riqueza, não é uma ameaça (...). [Mas] só por si não garante a harmonia de uma sociedade", referiu, acrescentando que, "para que haja efetivo pluralismo e uma coesão", tem de haver "um grande investimento", envolvendo governos, autarquias, líderes religiosos e sociedade civil.

Apesar de realçar o investimento feito em Portugal em prol da diversidade, o secretário-geral das Nações Unidas lembrou que ainda há no país manifestações de xenofobia, racismo e ódio contra muçulmanos.

O antigo primeiro-ministro sublinhou que o investimento realizado "tem de ser continuado, e com grande persistência".

Na sua intervenção, que antecedeu a sessão de encerramento, ao contrário do que previa o programa, o secretário-geral das Nações Unidas assinalou que o radicalismo "é uma perversão do pensamento religioso, que não é monopólio do Islão", dando como exemplos os fundamentalismos budista e cristão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."