Independentistas catalães cantam "Grândola" a Marcelo

Os restantes parlamentares reagiram prolongando os aplausos ao Presidente português para tentar abafar o gesto catalão.

O Presidente da República foi esta terça-feira à tarde às Cortes Gerais, em Madrid, onde discursou, e o final de sessão ficou marcado por um gesto dos parlamentares independentistas catalães.

Estes, no final da sessão, levantaram-se, aplaudiram a intervenção do Presidente da República, mas logo a seguir começaram a cantar a "Grândola, Vila Morena" (no vídeo ao minuto 47).

Todos eles tinham à sua frente cravos amarelos, a cor do movimento de protestos em defesa dos pesos políticos catalães. Os restantes parlamentares reagiram prolongando os aplausos ao Presidente português para tentar abafar o gesto catalão.

Marcelo, na tribunal principal do hemiciclo, limitou-se a sorrir. Nos discursos que tem feito durante esta visita de Estado a Espanha a questão catalã e da unidade de Espanha tem estado completamente ausente (no vídeo, a partir do minuto 34 e até ao 46).

As Cortes Gerais espanholas juntam as duas câmaras parlamentares: o congresso dos deputados e o senado. O discurso foi aplaudido de pé por todos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.