GNR mobiliza 3.000 militares para incêndios

Quase três mil militares da Guarda Nacional Republicana vão integrar, a partir de maio, o sistema de prevenção e de combate aos incêndios rurais da GNR, avançou hoje à Lusa o Ministério da Administração Interna (MAI).

O sistema de prevenção e de combate aos incêndios rurais da GNR vai contar com 1.882 militares no Grupo de Intervenção Proteção e Socorro (GIPS) e 1052 militares e civis no Serviço da Proteção da Natureza e Ambiente (SEPNA).

Segundo o MAI, os 408 militares da GNR que vão reforçar os GIPS da GNR iniciaram na semana passada o curso no Centro de Formação da Figueira da Foz, tendo 16 militares já terminado o curso de GIPS para graduados.

O MAI indica que este reforço na GNR insere-se no modelo de articulação entre prevenção e combate aos incêndios aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de 21 de outubro de 2017.

No âmbito deste modelo, de acordo com o MAI, foram também alargadas as Equipas de Intervenção Permanente (EIPS) nas áreas consideradas de risco, sendo criadas, até ao final do ano, mais 40 EIPS num total de 1524 bombeiros profissionais nas Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.