Força Aérea só vai participar no combate direto aos fogos em 2019

No próximo ano, a Força Aérea ainda não participa no combate direto. Tiago Oliveira espera que a situação mude no ano seguinte

O chefe da estrutura de missão para a instalação do Sistema Integrado de Fogos Rurais disse esta sexta-feira esperar que em 2019 a Força Aérea esteja no terreno a operar os meios aéreos de combate a incêndios florestais.

"Para o ano, a Força Aérea vai participar já numa definição estratégia e numa definição de comando. Espera-se que em 2019 opere os aparelhos sob mando de uma organização que vai estar focada a combater incêndios", afirmou Tiago Oliveira, em conferência de imprensa realizada na residência oficial do primeiro-ministro.

Tiago Oliveira, juntamente com o primeiro-ministro, António Costa, os ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, da Agricultura, Capoulas Santos, e o ministro-adjunto, Pedro Siza Vieira, e os secretários de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, Defesa, Marcos Perestrelo, do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia Ramos e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, passaram o dia de numa reunião de trabalho sobre experiências internacionais na prevenção e combate de incêndios a ouvir especialistas norte-americanos, espanhóis e um alemão.

Questionado pelos jornalistas sobre a importância da participação da Força Aérea Portuguesa (FAP), o chefe da estrutura de missão adiantou que a FAP é dos ramos das Forças Armadas que vai participar no combate aos fogos através da gestão dos meios aéreos, existindo uma fase de transição.

"As Forças Armadas já estão a participar. Há um esforço para perceber como a Força Aérea pode participar neste processo", disse.

Tiago Oliveira adiantou que, no futuro, as fases de combate aos incêndios florestais têm que se adaptar às condições meteorológicas e não ao calendário.

"Todos os países que temos estado a observar não tiveram sempre sistemas iguais, foram-se adaptando em função das ameaças, tornando o seu dispositivo cada vez mais flexível em função das condições meteorológica", disse.

Segundo o especialista, uma informação relevantíssima é o risco de incêndio meteorológico, do qual depende "a flexibilidade dos recursos, as políticas de contratação dos recursos e a ativação desses mesmos recursos" para que depois sejam geridos e colocadas nos locais onde o perigo de fogo é maior.

Na conferência de imprensa, o responsável frisou igualmente que terão que existir mudanças ao nível do "combate estendido" e um melhoramento no "ataque inicial".

"Em Portugal aquilo que tem que acontecer é: o ataque inicial é mantido, é melhorado, mas o ataque estendido tem que sofrer um ajuste de procedimento para que se consiga salvaguardar a vida das pessoas e não deixar que os montes se queimem", defendeu.

Depois de ouvir os especialistas internacionais, Tiago Oliveira concluiu: "Portugal tem as peças todas para fazer um bom 'puzzle', temos que juntar as peças e trabalhar cooperativamente e coordenadamente todos juntos". No entanto, adiantou, "há necessidade e urgência de garantir capacidade às pessoas" e também gerir a vegetação à volta das populações com a colaboração de municípios e juntas de freguesia.

Por outro lado, sublinhou que "o fogo não pode andar solto pelo monte", sendo, por isso necessário, "ter alguém focado em resolver aquele problema e contê-lo antes de chegar às populações".

Questionados se as experiências internacionais podem ser replicadas em Portuga, referiu que o combate aos incêndios obedece "a um conjunto de regras e procedimentos que estão estandardizados", sendo necessário fazer a adaptação às comunidades e ao tipo de vegetação.

Durante o dia, os membros do Governo ouviram vários especialistas dos Estados Unidos (Mark Beighley e Vicki Christiansen), da Alemanha (Johann Goldammer) e três espanhóis (Jose Joquatot, Tomaz Fernandez e Juan Sanchez).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.