António Costa: é preciso quebrar "círculo vicioso" de abandono da floresta

Primeiro-Ministro visitou hoje uma ação de limpeza organizada pelo município de Loulé

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje que é preciso "interromper o círculo vicioso" que conduziu ao abandono das florestas e à falta de limpeza nas matas.

Esta afirmação do Primeiro-Ministro surgiu na sequência da reivindicação da presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira, que considera que os municípios devem estar mais dotados de equipamentos e meios humanos para a limpeza das florestas.

"Quando as zonas de intervenção florestal e as entidades estiverem plenamente a funcionar, os próprios privados passam a ter rendimento de exploração florestal que permita fazer a limpeza. Nós temos de interromper este círculo vicioso em que o abandono ou a falta de rendimentos da floresta faz com que ninguém limpe", afirmou o Primeiro-Ministro.

António Costa e o ministro da Agricultura, Capoulas santos, visitaram dois pontos na Serra de São Mamede, em Portalegre, onde estão a decorrer trabalhos de limpeza na floresta, tendo nessa visita "vestido" o papel de sapadores florestais e também eles contribuíram para a limpeza daquele espaço.

O Primeiro-Ministro iniciou hoje o dia a sul, visitando uma ação de limpeza organizada pelo município de Loulé (distrito de Faro), seguindo depois para Portalegre.

No conjunto das ações, que visam também "clarificar que o trabalho de limpeza de terrenos decorrerá até 31 de maio", participam o Presidente da República e cerca de 20 membros do Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.