António Costa: é preciso quebrar "círculo vicioso" de abandono da floresta

Primeiro-Ministro visitou hoje uma ação de limpeza organizada pelo município de Loulé

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu hoje que é preciso "interromper o círculo vicioso" que conduziu ao abandono das florestas e à falta de limpeza nas matas.

Esta afirmação do Primeiro-Ministro surgiu na sequência da reivindicação da presidente da Câmara de Portalegre, Adelaide Teixeira, que considera que os municípios devem estar mais dotados de equipamentos e meios humanos para a limpeza das florestas.

"Quando as zonas de intervenção florestal e as entidades estiverem plenamente a funcionar, os próprios privados passam a ter rendimento de exploração florestal que permita fazer a limpeza. Nós temos de interromper este círculo vicioso em que o abandono ou a falta de rendimentos da floresta faz com que ninguém limpe", afirmou o Primeiro-Ministro.

António Costa e o ministro da Agricultura, Capoulas santos, visitaram dois pontos na Serra de São Mamede, em Portalegre, onde estão a decorrer trabalhos de limpeza na floresta, tendo nessa visita "vestido" o papel de sapadores florestais e também eles contribuíram para a limpeza daquele espaço.

O Primeiro-Ministro iniciou hoje o dia a sul, visitando uma ação de limpeza organizada pelo município de Loulé (distrito de Faro), seguindo depois para Portalegre.

No conjunto das ações, que visam também "clarificar que o trabalho de limpeza de terrenos decorrerá até 31 de maio", participam o Presidente da República e cerca de 20 membros do Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.