Incêndio em Tondela. Pelo menos quatro vítimas correm risco de vida

Incêndio numa associação em Vila Nova da Rainha. Marcelo visita local este domingo

Pelo menos quatro ou cinco feridos do incêndio que ontem deflagrou na associação recreativa de Vila Nova da Rainha estão em estado grave e correm risco de vida, informou na manhã deste domingo o presidente do Centro Hospitalar Tondela-Viseu.

Segundo Cílio Correia, que falou à imprensa, no Hospital de São Teotónio, em Viseu, estão internadas 13 pessoas. Dos 13 internados em Viseu há duas pessoas ventiladas na unidade de cuidados intensivos. Durante a noite, foram transferidas 16 pessoas para outras unidades de queimados do país: cinco para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, para o Porto foram três feridos para o hospital São João, dois para o Santo António e um para a Prelada, enquanto para Lisboa foram encaminhados dois para o Santa Maria, dois para o São Francisco Xavier e um menor para o Dona Estefânia.

Além destes feridos hospitalizados, houve quatro doentes que estiveram no hospital de Tondela, mas já tiveram alta.

O incêndio fez ainda oito vítimas mortais.

O mesmo responsável explicou que as vítimas que correm risco de vida têm "queimaduras muito significativas" e que a situação é mais grave porque sofrem também de outras doenças, como amputação de membros ou obesidade mórbida. Todos os feridos graves têm mais de 50 anos.

Segundo balanço do oficial de operações da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) Paulo Santos, o incêndio terá causado 36 feridos no total.

O alerta foi dado às 20:51 de sábado e pelas 21:50 o fogo foi dado como extinto. Estariam cerca de 70 pessoas no edifício em que ocorreu o incêndio, cujas causas ainda não foram apuradas. Testemunhas admitem que as chamas tenham começado após uma explosão no sistema de aquecimento; algumas dizem mesmo que o fogo teve origem numa salamandra no último piso da associação, onde decorria um torneio de sueca, que pegou fogo ao teto falso.

As vítimas terão tido depois dificuldades em abandonar a sala em que se encontravam, sendo obrigadas a sair por uma escada estreita que dava para uma porta fechada na altura - não se sabe se trancada - e que não conseguiram abrir dada a quantidade de pessoas que naquela altura se amontoou junto à saída.

Governo apresenta condolências

O Governo apresentou já este domingo as condolências aos familiares e amigos das vítimas do incêndio de sábado à noite numa associação recreativa de Vila Nova da Rainha, concelho de Tondela, que fez pelo menos oito mortos e 36 feridos.

"O Governo apresenta as mais sentidas condolências aos familiares e amigos das vítimas do acidente deste sábado em Vila Nova da Rainha", lê-se numa nota publicada no portal do executivo.

Na mesma nota, refere-se que o primeiro-ministro, António Costa, "tem estado em contacto permanente com o presidente da Câmara Municipal de Tondela" [José António Jesus] sobre as consequências do incêndio "e informou que todos os meios necessários foram imediatamente disponibilizados e acionados".

"O Governo está a acompanhar no terreno as consequências do incêndio, através dos serviços dos Ministérios da Administração Interna, da Saúde e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Foram disponibilizadas também equipas de apoio psicológico", acrescenta-se.

O Governo adianta ainda que os secretários de Estado da Proteção Civil, Artur Neves, e o adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, estão já no local da tragédia.

Por outro lado, hoje, ao fim da manhã, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, acompanhará o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na sua deslocação ao local, "depois de terminada a fase crítica da operação de socorro".

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, explicou no sábado à noite que a situação foi "muito crítica".

"Há muitas vítimas a serem atendidas, algumas já transportadas para os hospitais. São várias dezenas de feridos. Felizmente, os meios foram acionados rapidamente, mas isto é quase uma situação de catástrofe", frisou.

Há muitos feridos com queimaduras e outros com problemas decorrentes do fumo

A estrada principal foi cortada ao trânsito a cerca de dois quilómetros da associação recreativa aonde ocorreu a explosão.

Feridos graves em Lisboa e Porto

Os feridos mais graves do incêndio foram transferidos para unidades do Porto e de Lisboa, disse o secretário de Estado Adjunto e da Saúde.

Em declarações aos jornalistas cerca das 00:30, Fernando Araújo explicou que o incêndio na associação de Vila Nova da Rainha fizera mais de 30 feridos, que foram levados para os hospitais de Tondela, de Viseu e de Coimbra, "onde estão a ser estabilizados".

"Alguns dos quais, os mais graves, queimados, serão transportados para unidades quer do Porto, quer de Lisboa", referiu, acrescentando que um adolescente, de 15 anos, poderá também ser transferido para Lisboa.

No entender do secretário de Estado, "foram ativados todos os meios considerados necessários".

"As quatro VMER (Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação) com equipas de suporte avançado de vida, três helicópteros, um dos quais do Ministério da Defesa, e um conjunto elevado de meios quer do INEM, quer dos bombeiros, quer da Proteção Civil que têm atuado em conjunto, de forma articulada, para dar uma resposta efetiva a esta situação que é muito grave", enumerou.

Fernando Araújo disse que se encontrava ainda no local "uma unidade de psicólogos que está a dar apoio aos familiares e irá articular-se quer com a Proteção Civil, quer com a autarquia, neste momento e nos próximos dias", de forma a haver "uma resposta adequada para os familiares".

Lembrando que a região de Tondela foi muito afetada, no ano passado, pelos incêndios florestais, o responsável lamentou esta "nova catástrofe".

Três helicópteros e 170 operacionais mobilizados

Cerca de 170 operacionais e três helicópteros do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) foram mobilizados para Vila Nova da Rainha, no concelho de Tondela, disse o comandante operacional distrital de Viseu, Miguel David, para além dos meios da GNR e dos serviços municipais de proteção civil.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social ativou a Linha Nacional de Emergência Social através do número gratuito 144.

Marcelo vai a Tondela

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, desloca-se este domingo ao final da manhã a Vila Nova da Rainha. A informação consta de uma mensagem na página oficial da Presidência da República, que adianta que o "chefe de Estado deslocar-se-á ao local no domingo ao fim da manhã, depois de terminada a fase crítica da operação de socorro".

"O Presidente da República, estando a acompanhar as informações sobre a nova tragédia que atingiu o concelho de Tondela, em Vila Nova da Rainha, expressa os seus sentidos sentimentos aos familiares das vítimas mortais e aos feridos que se encontravam na Associação Cultural, Recreativa e Humanitária daquela localidade", refere.

Segundo a mesma nota, "neste momento é importante sublinhar o trabalho das equipas que se encontram no local, prestando auxílio aos feridos".

[Notícia atualizada às 10:50]

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.

Premium

Adriano Moreira

Entre a arrogância e o risco

Quando foi assinada a paz, pondo fim à guerra de 1914-1918, consta que um general do Estado-Maior Alemão terá dito que não se tratava de um tratado de paz mas sim de um armistício para 20 anos. Dito ou criado pelo comentarismo que rodeia sempre acontecimentos desta natureza, o facto é que 20 anos depois tivemos a guerra de 1939-1945. O infeliz Stefan Zweig, que pareceu antever a crise de que o Brasil parece decidido a ensaiar um remédio mal explicado para aquela em que se encontra, escreveu no seu diário, em 3 de setembro de 1939, que a nova guerra seria "mil vezes pior do que em 1914".