IAVE nega alteração ao critérios de correção do exame de Matemática A

O instituto responsável pelos exames enviou um "esclarecimento" aos professores responsáveis pela correção das provas, relativo aos itens opcionais entre os dois programas. Mas diz que é uma instrução e não qualquer alteração de critérios

O presidente do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), Helder de Sousa, confirmou ao DN que foi enviado nesta quinta-feira um esclarecimento relativo aos critérios de correção do Exame de Matemática A, do 12.º ano, aos professores corretores da prova. No entanto garantiu que não se trata de uma alteração destes critérios e sim "instruções de realização dos mesmos".

Em causa está a notícia, avançada nesta quinta-feira pelo Público, de que o IAVE teria dadas instruções "opostas" às anteriores relativas a três itens do exame - que valem entre si 24 dos 200 pontos da prova.

Nos itens em causa, os alunos tinham de optar entre duas questões, uma do programa antigo e outra do programa novo da disciplina, respondendo a "apenas uma" delas e identificando "claramente" qual a escolhida. Mas na nota enviada nesta quinta-feira aos corretores, o IAVE informa que se o aluno tiver optado por responder às duas questões e uma delas estiver correta, esta "deve ser considerada". Uma situação que, segundo professores citados por aquele jornal sob anonimato, colocaria "em desvantagem os alunos que cumpriram as instruções e apenas responderam a uma das opções".

No entanto, ao DN, Helder de Sousa negou qualquer alteração aos critérios. "Nos critérios de correção nada é referido sobre a situação em apreço, logo a instrução dada não pode vir alterar algo que não existe", defendeu, acrescentando que nesta sexta-feira "a questão vai merecer explicação mais desenvolvida e técnica".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.