Homem de 79 anos anda a pé dois quilómetros para ligar ao INEM

Idoso tentava salvar a mulher que encontrou inanimada no chão. Casal não tinha telefone desde os incêndios de outubro: a linha nunca foi reposta

Um morador em Vale da Ameixoeira, Sertã, de 79 anos, com problemas de visão e cardíacos, percorreu dois quilómetros a pé para poder ligar para o INEM, depois da mulher se ter sentido mal. As linhas telefónicas, destruídas pelos incêndios de outubro, ainda não foram repostas em muitas zonas rurais, quatro meses depois da tragédia. O idoso conseguiu contactar os serviços de emergência, mas foi tarde. os bombeiros chegaram uma hora depois, mas Maria dos Santos acabaria por morrer.

Segundo o Jornal de Notícias, Ângelo Farinha e Maria dos Santos eram os únicos habitantes de Vale de Ameixoeira e apesar de o homem ter um telemóvel, não sabia fazer chamadas - usava-o apenas para receber ligações.

Ângelo Farinha acordou a meio da noite de 16 de fevereiro e encontrou a mulher inanimada no chão. Sem telefone fixo, fez-se ao caminho: dois quilómetros de estrada até chegar a casa de uma vizinha a quem pediu ajuda. Em dezembro, tinha sido ele a sofrer um enfarte e a mulher fizera o mesmo percurso a pé para poder pedir ajuda.

De acordo com a filha do casal,.Umbelina Farinha, Maria dos Santos morreu de insuficiência cardíaca.

Desde os incêndios de outubro, que Umbelina e o irmão pediram várias vezes para que o telefone fixo fosse reposto em a casa dos pais, de idade avançada e que viviam isolados, tal como muitos outros idosos da região.

A filha de Ângelo Farinha disse, ao Correio da Manhã, que ligou, há dois meses, para a PT e que lhe garantiram que a linha ia ser resposta, o que não se concretizou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.