Há uma "reviravolta" no negócio do Montepio com a Santa Casa, revela Marques Mendes

O Governo deixou cair a ideia de fazer entrar a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa com 200 milhões de euros no capital do Montepio. Haverá participação mas "modesta"

"Uma má notícia para o Governo mas uma boa notícia para o país". Luís Marques Mendes contou esta noite na SIC que fracassou o negócio Santa Casa da Misericórdia de Lisboa/Montepio, pelo menos nos termos em que estava inicialmente previsto (a SCML entraria com 200 milhões de euros).

Para o comentador político, está-se perante uma "reviravolta" e surgiram três sinais disso: A decisão, segundo o Provedor [da SCML, Edmundo Martinho] era para ser tomada em Janeiro" mas já "estamos em Março e ainda não há decisão, porque tudo mudou"; por outro lado, "a avaliação do Montepio feita pelo Haitong ficou muito abaixo dos 2 mil milhões" e "tão abaixo que a Misericórdia escondeu o valor exato"; por último, "a indicação de Manuel Teixeira para administrador não executivo [do Montepio] é outro sinal de que a operação inicial não se faz". Porque "se se fizesse, a Misericórdia teria um administrador executivo".

Agora, o Governo - que tem no primeiro-ministro o principal defensor deste negócio - procura "salvar a face". E isto "fazendo a Misericórdia de Lisboa entrar mas com uma participação muito mais modesta" e "em conjunto com outras Misericórdias, as quais podem entrar mas com participações meramente simbólicas (mil euros é a hipótese em cima da mesa)".

No entender de Mendes, se esta "reviravolta" não acontecesse, o caso acabaria num inquérito judicial por suspeitas de gestão danosa e num inquérito parlamentar à conduta dos poderes públicos.

Fernando Negrão estreou-se na semana passada como líder parlamentar do PSD ameaçando precisamente o Governo com um inquérito parlamentar, caso percebesse que os interesses da Misericórdia de Lisboa não estariam a ser "acautelados". Ao mesmo tempo, Negrão afirmou o rotundo 'não' do seu partido (e especificamente do seu novo líder, Rui Rio) a este negócio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".