Governo recua e tira Força Aérea do combate a incêndios

Concentração de meios na Força Aérea tinha sido decidida pelo anterior Governo. Constança Urbano de Sousa recuou

O Ministério da Administração Interna recusou concentrar na Força Aérea os meios aéreos do Estado para combate a incêndios e emergência médica. Segundo o Jornal de Notícias, a medida estava a ser preparada pelo anterior Executivo e a Força Aérea estava pronta para tutelar as aeronaves, mas pedindo em contrapartida um reforço ao nível dos recursos humanos e materiais, já que as despesas iriam aumentar.

A medida terá sido, no entanto, recusada por Constança Urbano de Sousa, apesar de, indica o JN, esta transferência representar uma redução de custos para o Ministério da Administração Interna. Por outro lado, a frota dos helicópteros Kamov de combate a incêndios continua sem estar operacional na totalidade: dos cinco Kamov, voam apenas três, o que poderá levar o MAI a recorrer ao aluguer de meios aéreos para combate aos fogos, subindo a despesa.

Ao JN, fonte do Ministério referiu que "atendendo à posição da Força Aérea Portuguesa", que não estará a considerar assumir a operação e manutenção dos Kamov, o MAI "não pretende alterar o atual modelo de gestão de meios aéreos".

A concentração de meios na Força Aérea tinha sido decidida pelo anterior Governo, de Pedro Passos Coelho, com o objetivo de melhorar a gestão financeira das frotas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.