Governo recua e tira Força Aérea do combate a incêndios

Concentração de meios na Força Aérea tinha sido decidida pelo anterior Governo. Constança Urbano de Sousa recuou

O Ministério da Administração Interna recusou concentrar na Força Aérea os meios aéreos do Estado para combate a incêndios e emergência médica. Segundo o Jornal de Notícias, a medida estava a ser preparada pelo anterior Executivo e a Força Aérea estava pronta para tutelar as aeronaves, mas pedindo em contrapartida um reforço ao nível dos recursos humanos e materiais, já que as despesas iriam aumentar.

A medida terá sido, no entanto, recusada por Constança Urbano de Sousa, apesar de, indica o JN, esta transferência representar uma redução de custos para o Ministério da Administração Interna. Por outro lado, a frota dos helicópteros Kamov de combate a incêndios continua sem estar operacional na totalidade: dos cinco Kamov, voam apenas três, o que poderá levar o MAI a recorrer ao aluguer de meios aéreos para combate aos fogos, subindo a despesa.

Ao JN, fonte do Ministério referiu que "atendendo à posição da Força Aérea Portuguesa", que não estará a considerar assumir a operação e manutenção dos Kamov, o MAI "não pretende alterar o atual modelo de gestão de meios aéreos".

A concentração de meios na Força Aérea tinha sido decidida pelo anterior Governo, de Pedro Passos Coelho, com o objetivo de melhorar a gestão financeira das frotas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.