Governo quer celebrar 10 de junho de 2017 no Porto e no Brasil

Dando continuidade à tradição inaugurada em 2016, com Paris, Executivo estará a preparar-se para levar 10 de junho ao Rio de Janeiro e São Paulo

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas vai celebrar-se no Porto, Rio de Janeiro e São Paulo em 2017. A notícia é avançada este sábado pelo jornal Público, que acrescenta que a festa vai beneficiar da diferença horária para começar em Portugal e terminar no Brasil.

Tal como aconteceu este ano, em Paris, o primeiro-ministro vai acompanhar o Presidente da República nas celebrações. Em 2016, o 10 de junho assinalou-se pela primeira vez fora do país, por iniciativa de Marcelo Rebelo de Sousa, que o prometera ainda durante a campanha eleitoral. Dando continuidade à tradição, o Governo escolheu então o Brasil, ainda que a opção tivesse contado com a resistência do PR: Marcelo tem família no Brasil e, segundo o Público, temeu que a decisão fosse considerada mais pessoal e menos política. Mas o Governo opôs-se a mudar o destino, sublinhando que a escolha era do Executivo, logo nada poderia ser imputado a Marcelo, e porque a prioridade de Costa é alimentar a relação com a ampla comunidade portuguesa no Brasil.

O Público revela ainda que a festa do 10 de junho começa no Porto, com a cerimónia de passagem de revista às Forças Armadas, e que depois de cumprida a tradição militar o Presidente e o primeiro-ministro embarcam com a comitiva para o Brasil, com destino ao Rio de Janeiro, onde participarão numa cerimónia com os emigrantes portugueses naquela cidade. O encerramento, já a 11 de junho em Portugal, decorre em São Paulo: devido ao fuso horário brasileiro, será possível prolongar as celebrações por 30 horas, sempre dentro do dia 10 devido à diferença horária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.