Governo quer celebrar 10 de junho de 2017 no Porto e no Brasil

Dando continuidade à tradição inaugurada em 2016, com Paris, Executivo estará a preparar-se para levar 10 de junho ao Rio de Janeiro e São Paulo

O Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas vai celebrar-se no Porto, Rio de Janeiro e São Paulo em 2017. A notícia é avançada este sábado pelo jornal Público, que acrescenta que a festa vai beneficiar da diferença horária para começar em Portugal e terminar no Brasil.

Tal como aconteceu este ano, em Paris, o primeiro-ministro vai acompanhar o Presidente da República nas celebrações. Em 2016, o 10 de junho assinalou-se pela primeira vez fora do país, por iniciativa de Marcelo Rebelo de Sousa, que o prometera ainda durante a campanha eleitoral. Dando continuidade à tradição, o Governo escolheu então o Brasil, ainda que a opção tivesse contado com a resistência do PR: Marcelo tem família no Brasil e, segundo o Público, temeu que a decisão fosse considerada mais pessoal e menos política. Mas o Governo opôs-se a mudar o destino, sublinhando que a escolha era do Executivo, logo nada poderia ser imputado a Marcelo, e porque a prioridade de Costa é alimentar a relação com a ampla comunidade portuguesa no Brasil.

O Público revela ainda que a festa do 10 de junho começa no Porto, com a cerimónia de passagem de revista às Forças Armadas, e que depois de cumprida a tradição militar o Presidente e o primeiro-ministro embarcam com a comitiva para o Brasil, com destino ao Rio de Janeiro, onde participarão numa cerimónia com os emigrantes portugueses naquela cidade. O encerramento, já a 11 de junho em Portugal, decorre em São Paulo: devido ao fuso horário brasileiro, será possível prolongar as celebrações por 30 horas, sempre dentro do dia 10 devido à diferença horária.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.