Governo propõe almirante Silva Ribeiro para o topo da hierarquia militar

Anterior CEMGFA irá reformar-se no dia 28 de fevereiro

A decisão de propor o nome do almirante Silva Ribeiro para chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) foi aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

Silva Ribeiro substitui o general Pina Monteiro (Exército) a partir de 1 de março, por este atingir o limite de idade e passar à reforma.

O almirante foi nomeado para chefe do Estado-Maior da Marinha no final de 2016.

Cabe agora ao Presidente da República nomear Silva Ribeiro para o cargo.

Silva Ribeiro é o mais novo dos atuais três chefes dos ramos, mas a sua escolha - por ser da Marinha - estava anunciada desde que o Governo decidira reconduzir o general Pina Monteiro como CEMGFA há pouco mais de um ano.

A decisão foi tomada cerca de uma semana após o ministro da Defesa ter ouvido os sete vice-almirantes no ativo para escolher o sucessor de Silva Ribeiro como comandante da Marinha, onde o nome apontado como futuro chefe do ramo é o do atual vice-chefe, Mendes Calado.

Tanto Silva Ribeiro como Mendes Calado (artilheiro e que comandou a fragata Corte Real), a confirmar-se a nomeação deste vice-almirante pelo Chefe do Estado e Comandante Supremo das Forças Armadas, tomarão posse a 1 de março.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.