Governo espera que três Kamov estejam operacionais para combate a fogos

Três Kamov que têm estado aptos para voar estão parados, dois para manutenção e o terceiro por ausência de certificação

O Ministério da Administração Interna (MAI) estima que os três helicópteros Kamov estejam operacionais para integrar o dispositivo de combate a incêndios florestais, mas neste momento estão todos parados.

Dos seus helicópteros pesados do Estado, um está acidentado desde 2012, outros dois estão para reparação desde 2015 e os restantes três Kamov que têm estado aptos para voar estão também parados, dois para manutenção e um por "ausência de certificação".

Numa resposta enviada à agência Lusa, o MAI explica que dois Kamov estão "a realizar a grande manutenção dos 10 anos" e o terceiro está operacional, "apesar de indisponível por ausência de certificação de um componente pela autoridade aeronáutica" e deverá iniciar este mês "a grande manutenção" dos 10 anos.

O Ministério da Administração Interna refere também que estes três Kamov "deverão estar operacionais para o dispositivo de combate aos incêndios".

Quanto à reparação dos dois helicópteros inoperacionais desde 2015, o MAI adianta que o arranjo faz parte do objeto do grupo de trabalho criado entre os ministérios da Administração Interna e da Defesa Nacional para trabalhar na transição da gestão e controlo dos meios aéreos de combate a incêndios para a Força Aérea.

Estes dois helicópteros do Estado já não integraram o dispositivo de combate a incêndios florestais nos três últimos anos.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."