Fissuras na Ponte 25 de Abril estão identificadas há oito anos

Projetista da manutenção da ponte sugeriu reparações na estrutura há dois anos mas garante que fendas já tinham sido registadas antes

Há oito anos que estão identificadas as fissuras e outras anomalias na estrutura da Ponte 25 de Abril pela equipa permanente no local do Instituto de Soldadura e Qualidade (ISQ). As obras de intervenção para reparar as fendas naquela estrutura que liga Almada a Lisboa foram recomendadas há dois anos. Estes dois factos foram confirmados ao DN pelo engenheiro Tiago Abecasis, um dos projetistas da equipa que concluiu a avaliação das falhas da estrutura para a empresa norte-americana Parsons (projetista da Ponte 25 de Abril), no início de 2016. Entretanto as fendas "aumentaram de comprimento".

Apesar destes sucessivos alertas ao longo dos anos, só anteontem a Infraestruturas de Portugal (IP) anunciou o lançamento do concurso público internacional para os trabalhos de manutenção que vão durar dois anos e custar 18 milhões de euros. O anúncio surgiu um dia antes de a revista Visão publicar o relatório do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), entregue há um mês ao governo, a denunciar a necessidade de obras urgentes na ponte por causa de fissuras numa zona estrutural da travessia. Ontem, ao final do dia, o presidente do conselho diretivo do LNEC, Carlos Pina, explicou que o relatório foi pedido ao laboratório para identificar as anomalias da infraestrutura. E garantiu que a ponte "está e estará segura", e que não existe perigo para os utentes.

A equipa que trabalhou para a Parsons estudou e projetou, de 2014 ao início de 2016, "a intervenção que devia ser feita de reparar fissuras e outras anomalias como o bloqueamento dos apoios de umas vigas do tabuleiro rodoviário, que deviam permitir determinados deslocamentos e não permitem", descreveu Tiago Abecasis. Segundo adiantou o engenheiro, a intervenção iria custar 18 milhões de euros, precisamente o valor avançado na quarta-feira pela IP.

"Não precisámos de fazer uma recomendação de obras com urgência porque todos os técnicos da IP envolvidos manifestaram esse desejo de começar rapidamente com as obras", sublinhou o técnico.

"As fissuras estavam identificadas há pelo menos oito anos pelos técnicos do ISQ. "Todos os meses o ISQ - que tem uma equipa permanente na estrutura - produz um relatório de inspeção à ponte com as dimensões das fissuras e elas todos os meses estão a aumentar de comprimento."

"É seguro circular na Ponte 25 de Abril desde que se mantenha uma observação permanente da evolução das fendas", garante Tiago Abecasis. Mas "quanto mais demorarem a fazer as obras mais risco há e mais cara fica a reparação". Se a intervenção tardar muito "pode vir a ser necessário fechar os tabuleiros rodoviário e ferroviário". Para já, ainda não é.

O "desejo de começar rapidamente com as obras", que Abecasis dizia existir na IP no início de 2016, não se materializou. O DN apurou com fontes do setor que sempre que os técnicos perguntavam porque é que a obra não começava a resposta era sempre a mesma: "Isso está no Ministério das Finanças."

Entretanto, este ministério desmentiu que a autorização para as obras tivesse demorado cerca de seis meses, conforme foi noticiado. "A Lei do Orçamento do Estado para 2018 previa já os montantes necessários à intervenção na Ponte 25 de Abril, no quadro do calendário de manutenção regular e plurianual previamente estabelecido", esclareceram ontem as Finanças em comunicado. "Recentemente, dois relatórios, um de janeiro de 2018 (realizado pelo ISQ) e outro de fevereiro de 2018 (realizado pelo LNEC), indicaram a necessidade de realização de obras a curto prazo, confirmando a programação previamente definida pela Infraestruturas de Portugal. Face à urgência identificada nesses relatórios, o Ministério das Finanças aprovou prontamente as respetivas portarias de extensão de encargos", acrescenta o ministério.

Segundo a Infraestruturas de Portugal o concurso público para a adjudicação das obras vai avançar neste mês. A este propósito, a ministra da Presidência, Maria Manuel Leitão Marques, esclareceu que "os mecanismos de decisão, aprovação e criação de concursos não são instantâneos", considerando que o processo "está em bom ritmo".

A obra, que só agora irá começar, está relacionada com os elementos de apoio da ponte e é a que foi recomendada pela equipa de Tiago Abecasis. O presidente da IP, António Laranjo, admitiu ontem que já sabia da existência de fissuras na Ponte 25 de Abril há dois anos, mas rejeitou perigo, alegando que, nessa situação, "a ponte estaria fechada". "Não é uma obra urgente nem emergente", apesar de ser "prioritária" para a IP, declarou o responsável em conferência de imprensa. António Laranjo tentou também "esclarecer e tranquilizar" os utilizadores da estrutura vincando que "nunca haverá perigo de circular nesta ponte".

A Fertagus adiantou ao DN que foi "informada pela IP de que quando acontecerem as obras na ponte estas não vão afetar a circulação dos comboios pois serão feitas à noite e ao fim de semana". Com Pedro Sousa Tavares

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.