Ferro Rodrigues nos 40 anos de autonomia dos Açores

O presidente da Assembleia da República irá juntar-se domingo à cerimónia na Assembleia Legislativa Regional, na ilha do Faial.

O presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, vai presidir domingo à sessão solene evocativa do 40º aniversário da autonomia dos Açores.

A sessão solene, 40 anos após a tomada de posse do primeiro parlamento regional, começa às 15:00 (mais uma hora em Lisboa) e contempla intervenções de todos os partidos com assento parlamentar (PS, PSD, CDS-PP, BE, PCP e PPM).

Além de Ferro Rodrigues, discursam também o presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, e a presidente da Assembleia Legislativa, Ana Luís.

O estatuto provisório dos Açores foi publicado em Diário da República a 30 de abril de 1976, mês em que foi promulgada a Constituição que determinou os arquipélagos dos Açores e da Madeira como regiões autónomas dotadas de estatutos político-administrativos próprios.

O decreto-lei que aprovou o estatuto provisório dos Açores refere que a autonomia "não afeta a integridade da soberania do Estado" e visa "a participação democrática dos cidadãos, o desenvolvimento económico-social e a promoção e defesa dos interesses regionais, bem como o reforço da unidade nacional e dos laços de solidariedade entre todos os portugueses".

Com a publicação do estatuto provisório foram instituídos os órgãos de governo próprio - assembleia legislativa (que ficaria incumbida de elaborar o projeto de estatuto definitivo) e governo regional - e estabeleceram-se os serviços e quadros regionais de funcionamento nos diversos departamentos, assim como as receitas e despesas do arquipélago.

Quanto à soberania da República, era então "especialmente representada" por um ministro da República, cargo eliminado em 2004 com a sexta revisão da Constituição, sendo criado o de representante da República.

O estatuto provisório abriu caminho às primeiras eleições regionais, a 27 de junho de 1976, em simultâneo nos Açores e na Madeira e com as primeiras eleições democráticas para a Presidência da República que elegeram o general Ramalho Eanes como chefe do Estado.

A tomada de posse do primeiro parlamento regional aconteceu a 4 de setembro seguinte, com a presença de Ramalho Eanes.

O estatuto político-administrativo definitivo da Região Autónoma dos Açores foi publicado a 05 de agosto de 1980, tendo sido revisto por três vezes (1987, 1998 e 2009).

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."