Feliciano Barreiras Duarte demitiu-se

Secretário-geral do PSD emitiu comunicado afirmando que apresentou a demissão "irrevogável" a Rui Rio, exatamente um mês depois de ter sido eleito para o cargo

Feliciano Barreiras Duarte apresentou hoje a demissão do cargo de secretário-geral do PSD ao presidente do partido, Rui Rio. Um desfecho que era já tido por inevitável na direção social-democrata, face às polémicas em que o deputado se viu envolvido na última semana. A saída de Barreiras Duarte acontece exatamente um mês depois de ter sido eleito para a secretaria-geral, no último dia do congresso do partido.

O anúncio surge em comunicado emitido poucos minutos antes de uma entrevista à TSF agendada para esta tarde. No texto enviado às redações, Barreiras Duarte afirma: "Apresentei ao presidente do meu Partido o pedido irrevogável de demissão", decisão que, acrescenta, "já está concretizada". "Conversei com o Dr. Rui Rio e manifestei-lhe a minha vontade de deixar o cargo de secretário-geral do PSD, tendo em conta os ataques de que estava a ser alvo e os efeitos desses ataques no seio da minha família", escreve o também deputado, que fala em ataques de "uma violência inusitada".

O agora ex-secretáro-geral argumenta que não é ele o principal alvo desta campanha. No referido comunicado diz ter "perfeita consciência, como qualquer observador minimamente atento" de que o alvo principal é Rui Rio "e a sua direção". Ficar, diz, "seria avolumar o problema e não contribuir nada para a solução". "Saio de consciência tranquila; nunca ganhei nada, nem com uma, nem com outra situação; não tirei qualquer proveito da Universidade de Berkely - nem financeiro, nem de grau académico, nem profissional, nem político; não procurei qualquer benefício material ou outro, antes pelo contrário, com a questão da morada no Parlamento", conclui Barreiras Duarte, acrescentando que aguardará agora "serenamente os resultados do inquérito que a Procuradoria-Geral da República anunciou".

"Não há lugar a arrependimentos: dediquei os melhores anos da minha vida ao PSD e à atividade política e voltaria a fazer o mesmo, pois considero que servir o País é o mais nobre dos deveres", refere ainda o deputado.

Leia aqui o comunicado na íntegra

Barreiras Duarte estava sob fogo há mais de uma semana, depois de o semanário SOL ter noticiado que ex-secretário de Estado falseou dados do seu currículo, apresentando-se como visiting scholar na Universidade da Califórnia, em Berkeley, estatuto que nunca teve. A Procuradoria-Geral da República (PGR) determinou entretanto a abertura de um inquérito ao caso. Já este fim de semana, nova polémica: o Observador avançou que o também deputado terá recebido indevidamente ajudas de custo e despesas de deslocação do Parlamento por ter dado uma morada no Bombarral quando vivia em Lisboa. De acordo com o jornal online, entre 1999 e 2009 Barreiras Duarte recebeu ajudas como se vivesse no Bombarral, informação que o próprio confirmou por se tratar, disse, da sua morada fiscal à época. "Sendo a morada fiscal a única relevante para qualquer efeito administrativo e fiscal, incluindo o direito de voto, entendi que naturalmente era essa a morada que devia colocar no registo da Assembleia da República", explicou-se o secretário-geral do PSD.

O arrastar da polémica causou desagrado na cúpula dos sociais-democratas. Em entrevista à Antena 1, emitida sábado, um dos vice-presidentes do partido, Manuel Castro Almeida, dava nota do desconforto com o caso. "É bom que ele pondere se tem ou não tem condições" para continuar no cargo, afirmou o dirigente laranja, sublinhando que a polémica já se arrasta "há algum tempo". E, referindo-se à informação errada inscrita no currículo do secretário-geral, garantiu: "Isto não aconteceria comigo." Como o DN noticiou, Rui Rio já estava então à espera que Feliciano Barreiras Duarte tomasse a iniciativa de apresentar a demissão.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.