Ex-ministro recebeu quatro avisos sobre São José desde 2013

Paulo Macedo foi confrontado por deputados com a falta de médicos aos fins de semana, que resultaram em várias mortes

O anterior ministro da Saúde foi confrontado quatro vezes, desde 2013, com requerimentos do Parlamento a pedir esclarecimentos sobre a falta de médicos no serviço de neurorradiologia de São José aos fins de semana.

E se numa primeira resposta enviada a deputados do Bloco de Esquerda, ainda em 2013, a equipa de Paulo Macedo garantiu uma solução para breve, as três perguntas colocadas entre Janeiro e Maio deste ano sobre o mesmo assunto só tiveram esclarecimento no final de Setembro, onde se dizia que o Governo não tinha recebido qualquer queixa sobre o serviço em questão. Na semana passada, David Duarte, de 29 anos, morreu na sequência de aneurisma cerebral depois de ter esperado no hospital lisboeta 48 horas por uma operação. E segundo o Expresso, antes de David, quatro doentes com rutura de aneurisma "morreram durante o fim de semana por falta de operação. Tinham grande probabilidade de sobrevivência, mas não aguentaram a espera".

Já no início deste ano, o ex-deputado do BE João Semedo previu num debate parlamentar o que veio a ocorrer: "A sua política pode poupar muitos euros, mas não poupa vidas", declarou o então parlamentar na Assembleia da República ao ex-ministro da Saúde, Paulo Macedo. Semedo referia-se às pessoas que morreram à espera nas urgências. Mas o médico de profissão desde 2013 insistiu junto do ex-ministro com outro problema: falta de médicos especialistas para tratamento de AVC em alguns hospitais de Lisboa, durante os fins de semana e feriados. Quatro requerimentos foram feitos ao ex-ministro. "Não houve conhecimento de qualquer queixa", respondeu Paulos Macedo.

Transferências pouco adequadas

Esta semana, Luís Cunha Ribeiro, presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, pediu a demissão, na sequência da morte de David Duarte no hospital de São José devido à ausência de médicos de neuroradiologia e neurocirurgia durante o fim de semana que o pudessem operar. O responsável aludiu aos cortes orçamentais verificados nos últimos anos para justificar a falta de médicos.

O Bloco de Esquerda questionou o Governo PSD/CDS-PP em junho de 2013 sobre o problema da escala de Neurorradiologia de Intervenção no Centro Hospital de Lisboa Central/CHLC (que integra São José), tendo o gabinete do ministro Paulo Macedo reconhecido o problema e respondido esperar que "este constrangimento esteja ultrapassado brevemente".

Em novo requerimento ao ministro, a 30 de janeiro de 2015, o BE refere que, volvido mais de um ano, a situação "não só não foi ultrapassada como se deteriorou", já que, em meados de 2014, o hospital de São José deixou de ter equipa de Neurocirurgia Vascular ao fim de semana.

"Como tal, desde então, todas as pessoas que deem entrada nesta unidade hospitalar com aneurisma a partir de sexta-feira às 16 horas terão de aguentar até ao dia útil seguinte (segunda-feira) para tratar do aneurisma. Esta é uma situação desadequada do ponto de vista clínico que pode sujeitar os doentes a consequências graves e irreversíveis", refere o requerimento apresentado.

Já em janeiro de 2015, os então deputados do BE João Semedo e Helena Pinto alertam novamente sobre a falta de assistência aos doentes com aquela patologia ao fim de semana, lembrando que após o corte imposto em 2013 pelo governo PSD/CDS-PP no pagamento de horas extraordinárias a todos os funcionários públicos, a equipa de neurorradiologia de intervenção recusou continuar a assegurar a escala de fim de semana porque "implicaria estarem 48 horas sempre disponíveis a um preço inaceitável". Entretanto, o DN, a 26 de janeiro, noticiou que "São José sem tratamento para aneurismas ao fim de semana".

Perante o silêncio de Paulo Macedo, os deputados do BE insistem a 23 de março e 27 de maio com mais perguntas. Só obtêm resposta em setembro de 2015. O gabinete do ministro responde dizendo que, segundo o Conselho de Administração do CHLC, não houve conhecimento de qualquer queixa ou reclamação, através do gabinete utente/cidadão, relativamente à não realização de cirurgia de embolização precoce. Quanto à transferência de doentes para outras unidades hospitalares, o gabinete de Paulo Macedo disse que esta é "de facto limitada na medida em que, a imobilização e transporte na fase aguda da hemorragia subaracnoídea por aneurisma roto, não se revela como a mais adequada conduta médica".

Ler mais

Exclusivos